PUBLICIDADE
Topo

Propagação do coronavírus faz companhias aéreas alertarem sobre queda de lucro e demanda

8.fev.2020 - Avião que resgatou brasileiros que estavam na China faz escala técnica na viagem de volta ao país - Divulgação FAB
8.fev.2020 - Avião que resgatou brasileiros que estavam na China faz escala técnica na viagem de volta ao país Imagem: Divulgação FAB

Sarah Young e James Davey

Londres

28/02/2020 12h27

As companhias aéreas europeias intensificaram hoje seus alertas sobre o surto de coronavírus, com o IAG, dono da British Airways, e a Finnair sinalizando uma queda nos lucros, enquanto a EasyJet relatou uma grande queda na demanda na região da Itália afetada pela doença.

As três empresas se uniram a rivais ao anunciarem cortes de custos para ajudar a enfrentar a situação, que tem intensidade e duração desconhecidas.

O novo coronavírus, que surgiu no final do ano passado na China, fez com que a demanda por viagens caísse nas últimas semanas, à medida que o surto se espalhou pelo mundo, aumentando o medo de uma pandemia que poderia mergulhar a economia global em recessão.

A crise está exacerbando problemas profundamente enraizados no setor de aviação, que enfrenta excesso de capacidade, pressões ambientais e a suspensão do jato mais vendido da Boeing.

O IAG, que também é dono da Iberia e da Aer Lingus, geralmente fornece uma previsão de lucros nesta época do ano, mas disse que a incerteza sobre o impacto e a duração do surto de coronavírus significa que não pode dar orientações precisas neste momento.

No entanto, o grupo alertou: "No momento, estamos enfrentando uma demanda fraca nas rotas asiáticas e europeias e um enfraquecimento das viagens de negócios em nossa rede, resultante do cancelamento de eventos do setor e das restrições de viagens corporativas".

A British Airways cancelou voos nos últimos dias de e para Itália, Singapura e Coreia do Sul, depois de suspender todos os voos diretos para a China em janeiro. O IAG disse que mais cancelamentos ocorrerão nos próximos dias.

Para lidar com a queda nos negócios, o IAG disse que estava cortando custos, sem dar detalhes, juntando-se a empresas como Lufthansa, da Alemanha, e KLM, com sede na Holanda, que anunciaram movimentos semelhantes.

O grupo também disse que o cancelamento de voos reduziria o crescimento da capacidade este ano, embora o presidente-executivo, Willie Walsh, tenha dito que o grupo poderia começar a aumentar a capacidade se outras companhias aéreas falharem.

Projeções mais baixas de crescimento do tráfego aéreo levaram a empresa espanhola de tecnologia de viagens Amadeus a prever um crescimento mais lento dos lucros principais de 2020 nesta sexta-feira, mas a companhia enfatizou que as perspectivas ainda não são responsáveis pelo impacto incerto do surto de vírus.

As companhias aéreas estão entre as maiores vítimas da onda de vendas no mercado de ações esta semana, com as empresas na Europa sofrendo com disseminação da doença na região, onde o número de mortos na Itália, o país mais atingido daquele continente, subiu para 17 e centenas de turistas nas Ilhas Canárias da Espanha estão em quarentena depois que quatro casos foram detectados lá.

A EasyJet, de baixo custo, relatou um abrandamento "significativo" da demanda dentro e fora de suas bases no norte da Itália e uma redução em seus outros mercados europeus. Também disse que cancelaria alguns voos, principalmente dentro e fora da Itália, e que reduziria os custos em seus negócios, sem fornecer detalhes.

A Brussels Airlines, subsidiária da Lufthansa, também disse na sexta-feira que cortaria seus voos para o norte da Itália em 30% de 2 a 14 de março, devido ao surto de vírus no país.

Enquanto isso, a Finnair alertou para uma queda "significativa" no lucro operacional este ano devido a interrupções relacionadas a vírus.

A companhia aérea nacional da Finlândia disse que está eliminando sua meta de crescimento de capacidade para 2020 e deve cortar custos em 40 milhões a 50 milhões de euros, com medidas em consideração, incluindo demissões temporárias.

(Reportagem adicional de Anne Kauranen, em Helsinque, e Josephine Mason, em Londres.)

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.

Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.

Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Notícias