PUBLICIDADE
Topo

Após 15 dias, brasileiros deixam quarentena em Anápolis

do UOL

Eduardo Militão

Do UOL, em Anápolis

23/02/2020 11h01Atualizada em 23/02/2020 13h01

Após 15 dias, as 58 pessoas que estavam em quarentena na base aérea de Anápolis (GO) para verificar qualquer suspeita de estarem com coronavírus foram liberadas no fim da manhã de hoje. São 34 pessoas que foram resgatadas de Wuhan, na China, o epicentro do surto mundial da doença, e mais 24 médicos e profissionais que tiveram contato com elas desde a viagem.

Pouco antes do meio-dia, dois aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) decolaram levando as pessoas às suas cidades. "O Ministério da Saúde recomendou a liberação de todos", informou o Ministério da Defesa em comunicado divulgado ontem.

A FAB deve transportá-los para aeroportos nos seguintes locais:

  • Brasília - 20
  • São Paulo - 13
  • Rio de Janeiro - 11
  • Curitiba - 5
  • Santa Catarina - 4
  • Minas Gerais (Parque Aeronáutico de Lagoa Santa) - 3
  • Pará (Campo de Provas Brigadeiro Velloso) - 1

Uma pessoa permanecerá na cidade de Anápolis. Dos 20 que seguem para Brasília, um rumará para o Maranhão e outro, para o Rio Grande do Norte. Ambos utilizarão voos comerciais.

O repatriado mineiro Aleffy Rodrigues, 26, disse que o período de quarentena foi "ótimo", que superou expectativas. Ele fazia mestrado em marketing em Wuhan. "Estou ansioso para chegar em casa."

Estavam presentes, além dos repatriados, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, o comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do Ar Antônio Carlos Moretti Bermúdez, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), o prefeito de Anápolis, Roberto Naves (PP), e representantes do Ministério da Saúde, Anvisa e secretaria de Saúde do Governo de Goiás.

Os repatriados chegaram ao hangar onde foi realizada uma cerimônia bastante sorridentes e emocionados. Eles assistiram a um vídeo sobre a operação de resgate e seu planejamento.

O vídeo destacou imagens do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e de Caiado. Também foram apresentadas imagens do alojamento onde o grupo ficou nesses últimos dias.

O vídeo faz ainda uma homenagem aos militares e civis envolvidos na operação. Os militares que participaram da operação, que também ficaram em quarentena, também se emocionaram.

Duas crianças do grupo de repatriados entregaram ao ministro da Defesa dois quadros com a bandeira do Brasil, com a assinatura dos brasileiros resgatados. Azevedo disse que o presente será entregue ao presidente Bolsonaro.

"É um alívio que todos os exames deram negativo para a doença. Que Deus os acompanhe e bom retorno", disse o ministro na cerimônia aos repatriados.

O governador de Goias, Ronaldo Caiado (DEM), informou ao UOL que os repatriados irão a Brasília daqui a alguns dias e serão recebidos por Bolsonaro.

Brasil não tem nenhum caso até o momento

Entre 18 de janeiro e 21 de fevereiro, o Ministério da Saúde recebeu a notificação de 154 casos para investigação de possível infecção pelo coronavírus. Deste total, 51 foram descartados por confirmação laboratorial e 102 foram classificados como excluídos porque não atendiam aos critérios de caso suspeito.

No momento, apenas um caso permanece sob investigação no país. Trata-se de uma brasileira, de 21 anos, que mora na China e chegou ao Brasil no dia 17 de fevereiro e está no Rio de Janeiro.

O novo coronavírus já provocou 2.442 mortes e infectou 76.936 pessoas na China continental. Hoje, o presidente Xi Jinping disse que a epidemia é "a maior emergência de saúde" no país desde a fundação do regime comunista em 1949. (Com Estadão Conteúdo)

Coronavírus liga alerta pelo mundo

Notícias