PUBLICIDADE
Topo

Onix Plus: 5 motivos para ter ou passar longe do sedã mais vendido do País

Felipe Carvalho

Felipe Carvalho é administrador de empresas, consultor e primeiro "caçador de carros" profissional do país. Seu canal no YouTube dedicado a avaliações de achados automotivos tem mais de 100 mil inscritos. www.youtube.com/CarrosdoPortuga

do UOL

Colaboração para o UOL

13/02/2020 04h00

Eu sou saudosista. Não para tudo, mas para carros eu sou. E quem me acompanha semanalmente aqui no UOL Carros já deve ter percebido que escrevo com muito mais entusiasmo de carros antigos do que de novos.

E quando digo carros antigos, não são exatamente aqueles clássicos do tempo do meu avô. Com 37 anos nas costas, ainda sou novo, mas já posso considerar aqueles carros da época da minha infância como antigos e, por que não, clássicos.

Nesse ponto, a história da Chevrolet no Brasil mostra uma trajetória riquíssima, em que emplacou vários modelos extremamente desejados pelos brasileiros no passado. Basta ver o número de clubes dedicados a modelos como Opala, Chevette, Monza, Kadett, Vectra e afins, para entender como esses carros ainda mexem com os corações de muitos brasileiros.

Dito isso, sempre que tenho a oportunidade de guiar e avaliar um Chevrolet mais atual, inevitavelmente faço um paralelo com o passado glorioso da marca. No fim das contas, chego à conclusão que os de hoje são melhores em quase tudo: mecânica mais moderna e confiável, motores mais eficientes e mimos tecnológicos que, depois de utilizados, são difíceis de abrir mão.

Porém, sempre falta aquela cereja do bolo. Aquele encantamento inexplicável com os antigos não é o mesmo com os novos. Enquanto um Omega faz o sorriso brotar no meu rosto, guiar um Onix não mexe com nenhum músculo da minha face.

E foi exatamente um Onix que se hospedou na minha garagem por um período de sete dias. Fiquei com o mais completo de todos, a versão Premier do sedã - que antes era Prisma e agora é apenas Plus.

Esse Onix Plus Premier veio na belíssima e chamativa cor Azul Seeker, que automaticamente me fez lembrar da clássica banda britânica "The Who" - e comecei a cantarolar "They call me The Seeker, I've been searching low and high".

Mas afinal, esse novo Onix Plus é bom ou não? Se por um lado ainda tem muitos que desacreditam do modelo por conta dos episódios em que algumas unidades pegaram fogo (problema aparentemente solucionado em um recall feito pela GM), por outro lado os números de vendas de janeiro mostram que eles continuam imbatíveis, com o hatch em primeiro e o sedã em segundo lugar.

No geral, eu gostei do carro, mas consegui listar cinco motivos para comprar e outros cinco para passar longe do fenômeno de vendas da Chevrolet.

Compre um Onix Plus se:

1- Você valoriza conectividade
O Onix é o primeiro carro do segmento com internet a bordo. Isso significa que não é preciso consumir o pacote de dados do seu celular para poder navegar enquanto se está no carro. Minha filha simplesmente amou. Tenho certeza que, para ela, nenhum outro carro é tão legal quanto o Onix com esse recurso.

Mas calma que nem tudo são flores. Depois de um período de degustação, é preciso contratar o serviço de uma operadora exclusiva, já que o chip está embutido no carro, sabe-se lá onde. A vantagem é que o sinal é captado por uma antena externa, com mais capacidade de recepção que a de um celular. Além do wi-fi, o Onix tem o já conhecido sistema OnStar e a multimídia espelha a tela do celular no painel.

2- Você gosta de desempenho
O pequeno motor de 1 litro, com apenas 3 cilindros, parece não fazer sentido para quem gosta de desempenho. Mas, melhor do que explicar, convido o leitor a guiar o carro antes de tirar conclusões precipitadas. O desempenho é ótimo, com acelerações e retomadas que superam a expectativa do comprador de um carro como esse.

Se acha que estou exagerando, esqueça o tamanho do motor e analise sua relação peso/potência do Onix Plus, que é de apenas 9,63 kg/cv. Esse número é melhor que o de muitos Vectras 2.0 e do Cruze 1.8.

3- Você valoriza baixo custo de manutenção
Como foi recém-lançado, parece cedo para afirmar que o Onix terá baixo custo de manutenção. Não estou falando daqueles preços das manutenções programadas que os fabricantes divulgam. Esqueça isso, pois revisar carro em concessionária sai sempre mais caro do que o programado.

Penso no longo prazo mesmo, em que Chevrolet decidiu ir na contramão dos concorrentes ao optar pelo uso de injeção indireta, ao invés da injeção direta de outros motores turbos modernos.

Com isso, é prudente afirmar que nenhum dono terá que desembolsar uma boa grana para a manutenção do complexo sistema de injeção direta, que utiliza caros (porém eficientes) bicos injetores de alta pressão, que são menos tolerantes com combustíveis ruins.

Sobre freios e suspensão, tambores e eixo de torção na traseira podem não ser nada modernos, mas são baratos de se manter. Além disso, o grande volume de vendas do Onix ajudará a difundir peças de reposição e conhecimento dos mecânicos.

4- Você precisa de bom espaço interno
Com quase 4,5 metros de comprimento e 2,6 metros de entre-eixos, o Onix Plus tem porte dos sedãs médios da década de 2000. Com isso, o espaço para todos ocupantes é mais do que suficiente - claro que o quinto passageiro sofre mais, como em qualquer outro carro, e o porta-malas comporta bons 469 litros. O Onix hatch é mais acanhado em todas essas medições, inclusive no entre-eixos.

5- Você valoriza segurança
Todas as versões do novo Onix saem de fábrica com pacote completo de segurança, que inclui repetidores de seta nas laterais, 6 airbags (frontais, laterais e de cortina), controles de estabilidade e tração, cintos de segurança e apoio de cabeça para todos os ocupantes e ancoragem Isofix no banco traseiro. Nessa versão mais cara, também estavam lá a regulagem de altura do facho dos faróis e aviso de ponto cego nos retrovisores.

Não compre um Onix Plus se:

1- Você tem mais de 1,80 m
Sim, ele é espaçoso e comporta bem um motorista com essa altura. Eu, com 1,82 m, encontrei ótima posição para guiar, graças aos ajustes de altura do banco e do cinto, e de altura e profundidade do volante.

Porém, bastou precisar virar a cabeça para a esquerda para notar a larga coluna central bem ao meu lado. Com isso, a visibilidade é nula, e em várias situações precisei jogar o corpo para frente para enxergar a lateral.

Pensando nos mais altos, coloquei o banco ainda mais para trás, o que é permitido pelo longo trilho, e claro que a situação só piorou. Nesse caso, até o cinto de segurança ficou frouxo, por estar muito avançado em relação ao corpo do motorista.

2- Você gosta de suavidade nas acelerações
Sim, ele anda muito bem, como já disse. Porém, falta suavidade em algumas situações em que a rotação do motor está abaixo dos 2000 rpm. Para o leitor entender melhor, numa situação de desaceleração, como quando nos aproximamos de um semáforo fechado e tiramos o pé do acelerador enquanto o carro vai perdendo velocidade.

Antes mesmo de parar por total, o semáforo abre e logo o pé procura o acelerador. Mas, ao pisar, a sensação é de um vazio por uns instantes, até que o motor responda de uma maneira abrupta e o giro suba rapidamente, dando agilidade ao carro. Isso não é incomum de se acontecer em motores turbinados, e às vezes pode até ser divertido. Mas não deixa de ser bem desconfortável.

3- Você gosta de cambiar as marchas
O Onix Premier é interessante pelo pacote de equipamentos que tem. Por vezes, parece um carro de categoria superior. Porém, somente o câmbio automático está disponível para essa versão mais cara.

A decisão da Chevrolet não é errada, basta ver que o brasileiro está cada vez mais buscando carros sem o pedal da embreagem. Porém, os amantes de carros manuais terão que pular um degrau para baixo e escolher, no máximo, a versão LTZ - e, com isso, abrir mão dos mimos da Premier.

4- Você não gosta de bancos em couro
Aqui cabe licença poética, pois sabemos que o estofamento não é de couro legítimo, mas sim um material sintético. Ocorre que o material escolhido não é dos melhores. Na minha opinião, visualmente pode ser até bom, mas não é suave ao toque e esquenta muito no calor.

Aqui resgato meu saudosismo e lembro como eram aconchegantes os interiores dos Chevrolets do passado, com tecidos aveludados de diversas tonalidades. Se você, assim como eu, prefere banco de tecido, terá que fazer igual aos que gostam de cambiar - e escolher no máximo a versão LTZ.

5- Você valoriza seu dinheiro
A unidade testada por mim bate nos R$ 80 mil, bem acima dos R$ 56 mil da versão de entrada do Onix Plus, a LT. A comparação que faço nem é com essa versão mais simples, mas sim com o mercado de usados. São várias as opções de usados por R$ 80 mil, que são bem mais interessantes em termos de dirigibilidade, desempenho, acabamento e equipamentos. Para ficar na mesma casa, é possível levar um Chevrolet Cruze LTZ 2018, já com motor 1.4 turbo. É de se pensar...

Notícias