PUBLICIDADE
Topo

'Sou doutora em matemática, mas não sei dividir com 3 dígitos'

Espanhola Clara Grima é doutora em matemática e trabalha como professora, pesquisadora e divulgadora científica - Clara Grima
Espanhola Clara Grima é doutora em matemática e trabalha como professora, pesquisadora e divulgadora científica Imagem: Clara Grima

Ana Pais - HayFestivalCartagena@BBCMundo

29/01/2020 09h19

Clara Grima lembra o momento exato em que decidiu não apenas pesquisar e ser professora universitária de matemática, mas também se empenhar em divulgar conhecimento científico.

Era 2011 e seu jovem filho, Ventura, que tinha 6 anos na época, perguntou-lhe qual era o símbolo em sua camisa: "Isso é uma mesa ou um gol de futebol?"

Não era uma coisa nem outra. Era um número: pi.

A conversa terminou com Ventura concluindo que "o infinito é uma invenção dos matemáticos para quando se cansam de contar".

"O bom da matemática é pensar, fazer algo que as máquinas não sabem fazer", diz Grima à BBC Mundo.

Capa do livro de Grima, em espanhol - Ariel
Capa do livro de Grima, em espanhol
Imagem: Ariel

Desde então, a espanhola não apenas faz pesquisas, mas também escreve livros populares para crianças e adultos.

Seu último livro, Que a matemática esteja com você! (2018, ainda não disponível no Brasil), mostra uma variedade de situações cotidianas em que é possível encontrar matemática, desde vacinas até o Facebook.

Antes do Hay Festival Cartagena 2020, festival que discute de cultura e questões sociais, Grima conversou com a BBC Mundo sobre matemática.

BBC News Mundo - Em Que a matemática esteja com você! você diz (e prova) que a matemática é um jogo, que você só precisa "aprender as regras e jogar". Por que você acha que essa noção lúdica não é a mais difundida?

Clara Grima - Por mais que doa, devo admitir que a matemática ainda tem essa lenda, essa má reputação que não lhe pertence.

Sou pesquisadora e professora universitária desde 1995 e comecei a fazer divulgação científica em 2011, quando graças aos meus filhos comecei a falar de matemática com crianças.

Conheci crianças de 5 ou 6 anos que me diziam: "Eu não gosto de matemática". E eu sempre respondo a mesma coisa, digo: "Como você sabe se ainda não experimentou?"

Então percebi que as crianças aprendem a odiar a matemática antes de estudá-la, porque está no ambiente, na sociedade. É uma coisa simpática você dizer que não domina a matemática. Celebridades da televisão dizem isso, também alguns youtubers. E isso vai pegando.

BBC News Mundo - Mas não é o seu caso: você sempre gostou de matemática e até diz que ela te "moldou".

Clara Grima - Sim, adoro matemática desde pequena. Para mim, era um jogo, era como um mistério. Lembro-me perfeitamente da primeira vez que resolvi uma equação do tipo x + 2 = 4. Lembro-me de gritar na sala de aula: "Que legal! Eu descobri uma coisa!"

Mas a verdade é que eu queria ser filósofa porque também gosto de escrever. E foi justamente meu professor de filosofia que me disse para estudar matemática porque eu estava indo bem e porque conseguiria um emprego mais cedo. E ele estava absolutamente certo.

A primeira coisa que a matemática me deu foi a cura da humildade: meu orgulho e meu ego foram arrastados pela lama de uma maneira cruel, porque não era tão boa quanto eu pensava.

Então descobri a beleza da matemática e aprendi uma maneira diferente de ver o mundo pela qual eu me apaixonei.

No nível pessoal, ao fazer minha tese de doutorado, descobri os grafos (ramo da matemática que estuda as relações entre os objetos de um determinado conjunto) e, pouco tempo depois, casei-me com meu orientador de tese. Então meus filhos nasceram e eles mesmos, com sua conversa, mudaram minha vida novamente e eu comecei a divulgação.

Agora, dou palestras e escrevo livros, algo a que eu tinha renunciado ao virar matemática, mas que voltou de outra maneira. Não escrevo romances ou ensaios filosóficos, escrevo sobre matemática.

BBC News Mundo - Como pesquisadora, você trabalha na teoria dos grafos, algo que você acabou de mencionar e que aparece em muitos capítulos de Que a matemática esteja com você!. Você poderia explicar de uma maneira simples o que é um grafo?

Clara Grima - Um grafo é um objeto matemático composto de dois conjuntos de elementos: um são os pontos, que podem representar pessoas ou objetos, e o outro conjunto são listras ou linhas, que unem esses pontos dois a dois.

Podemos usar o Facebook como exemplo. Cada um dos usuários seria um pequeno ponto e dois usuários que são nossos amigos no Facebook apareceriam unidos a nós por linhas finas. Isso nos daria um desenho: isso é um grafo.

Nesse caso, é um grafo muito grande, porque o Facebook possui da ordem de 1,6 bilhões de usuários.

BBC News Mundo - No livro, você usa os grafos para explicar desde a série Game of Thrones até as campanhas de vacinação. Se é uma teoria tão útil, por que geralmente não é ensinada na educação básica?

Clara Grima - Eu me formei em matemática sem ter visto um grafo.

Mas quando comecei a fazer divulgação, muito rapidamente comecei a falar um pouco sobre grafos por dever profissional. E percebi que é uma ferramenta muito útil, que permite modelar problemas matemáticos de uma maneira muito eficiente e resolvê-los sem os cálculos tediosos que as crianças são forçadas a fazer o tempo todo.

O que prevalece na solução de problemas usando grafos é instinto e lógica, não a capacidade de fazer cálculos que, francamente, são chatos e inúteis. A máquina faz melhor.

Para mim, a máquina de lavar lava melhor, um carro vai a uma velocidade que nunca alcançarei e uma calculadora calcula muito mais rápido do que eu.

Sou doutora em matemática e não sei dividir com três algarismos nem sei calcular uma raiz quadrada à mão.

A beleza da matemática é pensar, é fazer algo que as máquinas não sabem fazer.

BBC News Mundo -Você também costuma usar o conceito de pessoa "anumérica". O que isso significa e que perigos isso implica?

Clara Grima - O termo "anumerismo" foi cunhado por Douglas Hofstadter e popularizado por John Allen Paulos com seu livro The Anumerical Man (O Homem Anumérico, em tradução livre)

Significa um analfabetismo em conceitos básicos de matemática - não saber calcular uma porcentagem, não entender um gráfico -, algo que apresenta vários níveis de perigo.

Por exemplo, na Espanha, é tradição comprar a loteria de Natal. Há pessoas na fila para comprar em um determinado lugar porque pensam que têm mais chances de ganhar lá. Esse é um caso claro de anumerismo que ocorre todos os anos neste país. Mas, ao fazer isso, você está, no máximo, perdendo seu tempo, isso não afeta sua vida.

Mas se eles enganam você no banco com um produto financeiro, a coisa já se torna mais séria.

BBC News Mundo - E o que dizer da "miragem da maioria" e como isso piorou com as redes sociais?

Clara Grima - É uma maneira um pouco mais complexa de ser anumérico.

É o que eles chamam de "bolha", que acontece quando você está em um determinado grupo social, que pode ser real ou virtual. O que acontece é que agora as redes sociais têm o poder de transmitir notícias falsas ou fraudes muito grandes.

O problema é que é muito difícil sair desse anumerismo e isso afeta a todos nós. Deixar a bolha de informações é um esforço pessoal que precisamos fazer.

E então, por outro lado, o que isso nos ensina é que precisamos ser empáticos. É muito fácil dizer que um grupo ao qual você não pertence toma decisões estúpidas. Mas eles podem não ver as coisas da mesma forma porque são afetados por essa miragem.

É por isso que a melhor maneira de tirar uma pessoa de sua bolha é com dados e empatia.

BBC News Mundo - Qual é a pergunta matemática que as crianças mais fazem?

Clara Grima - Quando digo que sou pesquisadora de matemática, eles me dizem: "Mas o que você precisa descobrir? Se já sabemos que 2 + 2 é 4". Bem, muitas coisas, porque a matemática vai além da aritmética.

Toda descoberta feita é como uma porta que se abre e o que está atrás dela é um corredor enorme, quase infinito, cheio de portas fechadas, que devem ser reabertas, porque o conhecimento se expande.

BBC News Mundo - Isso significa que, no debate sobre se a matemática é descoberta ou inventada, você apoia a primeira opção?

Clara Grima -Eu acho que é meio a meio.

Há uma parte da matemática que é evidentemente o resultado da abstração da mente humana e que é inventada.

Por exemplo, pegamos números, gráficos ou funções, que são os objetos com os quais vamos jogar e inventamos as regras do jogo, que podem ser como são formados, como se multiplicam, como se dividem... Então, a partir dessas regras e do jogo, descobrimos quais propriedades elas têm.

E há uma parte da matemática que descobrimos olhando a natureza.

Antes, se pensava que a única geometria existente era a geometria euclidiana, onde duas linhas paralelas nunca serão cortadas. Bem, um dia alguém pensou: "Vamos inventar uma geometria que não seja assim, onde linhas paralelas, no final, se encontram".

Na época, isso parecia ser uma abstração da mente e uma matemática inventada, mas aí vem (Albert) Einstein e explica o espaço-tempo, e o universo dá razão: era uma matemática que estava oculta.

Em 2018, eu fazia parte de um grupo de pesquisa que descobriu uma forma geométrica que não havia sido vista, chamada de escutoide, e que teve um impacto brutal.

Foi uma colaboração com biólogos celulares, que nos ligaram porque queriam saber como descrever o formato das células epiteliais, que são os tecidos que cobrem todos os nossos órgãos. Quando começamos a descrever a forma geométrica, percebemos que era uma forma que não existia.

Posso inventar uma forma geométrica, mas esta não foi inventada, foi descoberta através da observação das células epiteliais, era uma forma que se repete em todas elas.

Muitas vezes inventamos a matemática, mas outras vezes ela é descoberta olhando o universo. Ou, nesse caso em particular, olhando as glândulas salivares da mosca, que é algo menos romântico.

Notícias