Topo

Trump anuncia possível acordo de defesa após falar com premiê de Israel

14/09/2019 17h23

Washington, 14 Set 2019 (AFP) - O presidente americano, Donald Trump, disse neste sábado (14) ter conversado com o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, sobre a possibilidade de avançar em um tratado de "defesa mútua", faltando três dias para as eleições em Israel.

"Conversei por telefone hoje com o primeiro-ministro Netanyahu para discutir a possibilidade de avançar em um Tratado de Defesa Mútua entre os Estados Unidos e Israel", tuitou Trump.

Um acordo deste tipo "fixaria ainda mais a tremenda aliança" entre os dois países, destacou.

"Espero continuar estas discussões depois das eleições israelenses, quando nos reunirmos nas Nações Unidas no final do mês!", acrescentou, dando apoio tácito de última hora à candidatura de Netanyahu para um novo mandato.

Netanyahu agradeceu ao "querido amigo" Trump usando a mesma rede social.

"O Estado judeu nunca teve um melhor amigo na Casa Branca", tuitou. "Espero nossa reunião na ONU para avançar em um histórico Tratado de Defesa entre Estados Unidos e Israel", acrescentou.

Os comentários de Trump ocorrem em um momento em que a comunidade internacional espera a difusão do plano de paz para o Oriente Médio de Washington.

Trump tem se vangloriado repetidamente de ser o presidente americano mais pró-Israel da história.

Desde que chegou ao governo, a assistência do seu país aos palestinos tem sido fortemente cortada, ao mesmo tempo em que Washington fez grandes concessões aos israelenses, incluindo a formalização do reconhecimento de Jerusalém como a capital do Estado judeu.

Como resultado, a Autoridade Palestina cortou qualquer contato formal com o governo Trump, a quem não reconhece como intermediário nas negociações com Israel.

Até agora, Trump não fez comentários sobre a controversa promessa de Netanyahu de anexar, se for reeleito, os assentamentos israelenses na Cisjordânia ocupada, assim como o Vale do Jordão, uma decisão que aparentemente iria além do proposto no plano de paz americano.

Mais Notícias