PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Justiça europeia diz que Venezuela pode apelar das sanções da UE

22/06/2021 14h39

Bruxelas, 22 jun (EFE).- O Tribunal de Justiça da União Europeia decidiu nesta terça-feira que a Venezuela tem legitimidade para contestar um regulamento europeu que estabelece sanções da UE contra este país.

O tribunal, com sede em Luxemburgo, anulou a decisão do Tribunal Geral que se pronunciou contrário e devolveu-lhe o caso para se pronunciar sobre o mérito do recurso de anulação das sanções apresentado pela Venezuela.

Este dilema se refere a um recurso interposto pela Venezuela no dia 28 de novembro de 2019 contra a sentença do Tribunal Geral que indeferiu um recurso interposto em 6 de fevereiro de 2018 pelas autoridades de Caracas, no qual pediam a anulação de um Regulamento adotado em 13 de novembro de 2017 pelo Conselho da UE sobre medidas restritivas devido à situação no país.

O Conselho da UE lançou sanções específicas contra a Venezuela em 13 de novembro de 2017, que incluíam um embargo às armas e equipamentos que podem ser usados para "repressão interna", a fim de "ajudar a promover soluções democráticas compartilhadas para trazer estabilidade política ao país".

Da mesma forma, as medidas restritivas incluíam a proibição de viajar para a União Europeia e o congelamento de bens em território europeu de 18 pessoas com cargos oficiais que a UE considera "responsáveis por violações dos direitos humanos" e por "terem minado a democracia e o Estado de direito" na Venezuela.

Em 20 de setembro de 2019, o Tribunal Geral decidiu que a Venezuela não havia demonstrado que as medidas em questão estavam afetando o país diretamente e concluiu que não tinha a legitimidade necessária para sustentar seu recurso de anulação, pelo que o declarou inadmissível por esse motivo.

Mas hoje, o Tribunal de Justiça rejeitou essa decisão e seguiu o critério do Advogado-Geral da UE, que decidiu na mesma direção em janeiro deste ano.

Por um lado, o tribunal europeu destacou que a Venezuela, como Estado dotado de personalidade jurídica internacional, deve ser considerada uma "pessoa jurídica", de acordo com o Tratado da UE.

Em seguida, o Tribunal de Justiça declara que o Tribunal Geral (primeira instância) cometeu um erro de direito ao considerar que as medidas restritivas em questão não afetavam diretamente a situação jurídica da Venezuela.

A esse respeito, indica que tais medidas foram adotadas contra a Venezuela.

O Tribunal conclui que essas disposições têm efeito direto sobre a situação jurídica desse Estado e não é necessário distinguir se as transações comerciais desse Estado correspondem a atos de gestão ou de autoridade pública.

Da mesma forma, indica que é "irrelevante" para estes fins que as medidas restritivas em questão não constituem um impedimento absoluto para a Venezuela adquirir os bens e serviços em questão.

O tribunal rejeita também os fundamentos de inadmissibilidade inicialmente invocados pelo Conselho perante o Tribunal Geral.

Por último, o Tribunal de Justiça declara que, dado que os artigos do regulamento impugnados pela Venezuela não incluem medidas de execução, esse país tem efetivamente o direito de impugná-las, sem ter que demonstrar que esses artigos o afetam individualmente.

Notícias