PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Partido indígena do Equador ganha presidência do Congresso com apoio de Lasso

Guadalupe Llori, do partido indígena de esquerda Pachakutik, foi eleita presidente da Assembleia Nacional - Reprodução/Twitter
Guadalupe Llori, do partido indígena de esquerda Pachakutik, foi eleita presidente da Assembleia Nacional Imagem: Reprodução/Twitter

15/05/2021 21h09Atualizada em 15/05/2021 21h29

A deputada Guadalupe Llori, do partido indígena de esquerda Pachakutik, foi eleita presidente da Assembleia Nacional do Equador neste sábado (15) com o apoio do partido do presidente eleito, Guillermo Lasso, que tomará posse em 24 de maio.

Llori, forte rival política do ex-governante socialista Rafael Correa (2007-2017), foi escolhida para o cargo por dois anos com 71 votos, incluindo dos partidos Criando Oportunidades (CREO, direita), fundado por Lasso, Esquerda Democrática (ID, centro esquerda) e de legisladores independentes.

"Estendo meus parabéns a Guadalupe Llori, a nova presidente da Assembleia Nacional. Reitero meu compromisso com o Legislativo de trabalhar em conjunto pelo Equador. Sucesso em sua gestão", disse o presidente eleito no Twitter.

Ao assumir o cargo, Llori — considerada uma política perseguida do governo de Correa — expressou o apoio do Pachakutik a Lasso, a quem se opunha.

"O próximo governo deve ter a governabilidade para que prevaleça a democracia, o que implica uma diversidade de visões e opiniões, mas com o mesmo objetivo, o desenvolvimento do país", afirmou.

Com todas as forças parlamentares dispersas e nenhuma com maioria absoluta, o CREO fracassou ontem em sua tentativa de ganhar a presidência do Congresso, com 137 cadeiras, que acompanhará Lasso por um mandato de quatro anos.

Sua parlamentar Rina Campaín obteve apenas 24 dos 70 votos necessários. Também perderam o líder indígena e antimineração Salvador Quishpe (Pachakutik) e o empresário Henry Kronfle, do Partido Social Cristão (PSC, direita).

Notícias