PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Lula vai se reunir com Pacheco em Brasília em articulações para 2022

Lula tem se reunido com políticos em Brasília - Divugação/Ricardo Stuckert
Lula tem se reunido com políticos em Brasília Imagem: Divugação/Ricardo Stuckert

Lauriberto Pompeu

Brasília

05/05/2021 13h18Atualizada em 05/05/2021 14h02

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), vai receber o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para uma reunião amanhã à tarde. De acordo com a assessoria de Pacheco, será um encontro institucional, sem pauta predefinida.

Pacheco passou a ser citado por aliados e dirigentes partidários como possível candidato de centro em 2022.

Será o primeiro encontro do petista com um chefe de Poder desde que retomou seus direitos políticos, após o STF (Supremo Tribunal Federal) anular suas condenações na Lava Jato. O encontro será na residência oficial do Senado.

De volta ao palco eleitoral, Lula se movimenta para atrair políticos do Centrão como aliados em 2022. O bloco dá sustentação ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Câmara, mas o petista aposta em desgarrados de partidos que hoje estão com o governo para compor palanques regionais.

O ex-presidente está em Brasília desde segunda-feira (3), e vai ficar até sexta (7). Ele tem buscado ampliar o leque de alianças do PT e procurado conversar com políticos fora do espectro da esquerda.

Hoje, o petista vai receber o ex-prefeito de São Paulo e presidente do PSD, Gilberto Kassab. O dirigente partidário já foi ministro da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), mas hoje comanda uma legenda que está na base do presidente Jair Bolsonaro.

Ontem, o ex-presidente teve uma extensa agenda de reuniões com senadores. Ele recebeu a bancada do PT no Senado, os senadores Otto Alencar (PSD-BA), Kátia Abreu (Progressistas-TO) e o ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE).

No caso de Pacheco, o senador contou tanto com o apoio de Jair Bolsonaro quanto do PT para chegar ao comando do Senado. O leque de alianças que o parlamentar mineiro conseguiu montar na ocasião e seu estilo conciliador são citados por aliados como trunfo para que Pacheco se torne o candidato de centro em 2022.

A ideia seria reunir o apoio de outras siglas, como PSDB e MDB, em torno de sua candidatura para se contrapor à possível polarização entre Lula e Bolsonaro.

A fila, no entanto, está congestionada. Nomes como o do apresentador Luciano Huck, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM) estão mais adiantados nas articulações em torno de um nome único das siglas de centro no ano que vem.

Além das articulações eleitorais, aliados do ex-presidente dentro do PT afirmam que Lula está interessado em medidas para acelerar a vacinação contra o novo coronavírus e em aumentar para R$ 600 o valor do auxílio emergencial, que varia de R$ 150 a R$ 375.

Notícias