PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Argentina tem recorde de 663 mortos por covid-19 em um dia

05/05/2021 20h58

Buenos Aires, 5 Mai 2021 (AFP) - A Argentina registrou nesta quarta-feira (5) 633 mortos, o maior número de óbitos por covid-19 em um único dia desde que a pandemia começou, elevando o total de falecimentos a 65.865, informou o Ministério da Saúde.

O número de casos fatais superou amplamente o pico anterior de 561, registrado em 29 de abril.

O país reportou 24.079 contágios nas últimas 24 horas, com um acumulado de infecções de mais de três milhões no país de 45 milhões de habitantes.

A taxa de mortalidade é de 1.422 por milhão de habitantes na Argentina. Na América Latina, ocupa o quarto lugar no total de mortes e o sexto no índice por milhão, segundo cifras da AFP com base em informes oficiais de cada país.

Em nível mundial, a Argentina ocupa o 14º lugar no total de óbitos e o 30º na taxa por milhão de habitantes, enquanto é o 11º país em número de contágios.

O governo reforçou desde meados de abril as medidas para reduzir a circulação de pessoas com a intenção de frear a curva de contágios, que conseguiu conter, mas em um nível alto, de cerca de 25.000 casos em média diária.

Na região metropolitana, onde vivem 15 milhões de pessoas, detecta-se a maior velocidade de contágios nas últimas semanas e já quase não há leitos disponíveis nas unidades de terapia intensiva em hospitais públicos e privados.

Segundo o Ministério da Saúde, o percentual de ocupação de leitos de terapia intensiva em todo o país é de 68,2%, índice que chega a 75,9% na região metropolitana de Buenos Aires (AMBA), distrito formado pela cidade de Buenos Aires e os 35 distritos que a cercam.

Cerca de 7,36 milhões de pessoas receberam até esta quinta-feira a primeira dose de algumas das vacinas aplicadas na Argentina, enquanto 1,16 milhão já foram imunizadas com as duas doses.

A Organização Pan-americana da Saúde (Opas) advertiu nesta quarta-feira que os hospitais da região estão "perigosamente cheios" e alertou para o aumento das hospitalizações e mortes de adultos jovens.

ls/dga/mvv

Notícias