PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Bolsonaro critica mercado por Petrobras: 'Espertalhões ganharam dinheiro'

do UOL

Do UOL, em São Paulo

25/02/2021 21h24Atualizada em 25/02/2021 21h42

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse ver um "exagero" da parte do mercado pela queda de mais de 20% nas ações da Petrobras registrada na segunda-feira (22), logo após o anúncio da troca no comando da estatal. Ele acusou investidores de "ganharem dinheiro" com a situação enquanto "gente inocente" foi prejudicada com o desempenho dos papéis.

Feita na sexta-feira (19), a indicação do general Joaquim Silva e Luna para suceder Roberto Castello Branco na presidência da Petrobras foi entendida como uma tentativa de interferência de Bolsonaro na estatal. Antes, o presidente já havia anunciado um corte nos impostos federais que incidem sobre o óleo diesel, o que também não foi bem visto.

"Houve um rebuliço do mercado, muita especulação. Muita gente ganhou dinheiro, muitos espertalhões ganharam dinheiro, muita gente mais inocente perdeu dinheiro. Anunciei na sexta à noite [a troca no comando], na segunda [a Petrobras] perdeu 20%. No outro dia, na terça-feira [23], já recuperou 12%", disse o presidente durante sua live semanal.

Segundo Bolsonaro, a recuperação parcial também é justificada pelo fato de que as pessoas começaram a "conhecer" Silva e Luna — ex-diretor-geral da Itaipu Binacional — mais a fundo.

"O pessoal bate muito, 'ah, mais um general'. Só que esse general, além do curso militar, serviu por 47 anos no Exército, depois foi ser ministro da Defesa do governo anterior [Michel Temer (MDB)], depois foi para Itaipu Binacional, completou dois anos em Itaipu Binacional, e fez uma tremenda revolução lá", elogiou.

Novo auxílio

Bolsonaro também anunciou que o auxílio emergencial deve voltar a ser pago a partir de março, com quatro parcelas de R$ 250. Ele disse ter conversado com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e que os detalhes da proposta ainda estão sendo definidos com a equipe econômica e com os presidentes da Câmara e do Senado.

"Estive hoje com Paulo Guedes. A princípio, o que deve ser feito? A partir de março, por quatro meses, R$ 250 de auxílio emergencial. Então é isso que está sendo disponibilizado, está sendo conversado, em especial com presidentes da Câmara [Arthur Lira (PP-AL)] e do Senado [Rodrigo Pacheco (DEM-MG)], porque a gente tem certeza de que, se nós acertarmos, vai ser em conjunto", disse o presidente.

Reconhecendo que a capacidade de endividamento do país "está no limite", ele ainda afirmou esperar que os quatro meses adicionais de auxílio possam fazer a economia "pegar de vez, para valer". Ao final, acrescentou, a intenção é apresentar uma nova proposta para o Bolsa Família.

"Essa é a nossa intenção, e trabalhamos com esse propósito", finalizou.

Notícias