PUBLICIDADE
Topo

Governo do RJ autoriza retorno gradual de transporte intermunicipal

05/06/2020 20h10

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O governo do Rio de Janeiro autorizou nesta sexta-feira o retorno gradual do transporte intermunicipal de passageiros a partir deste sábado, segundo decreto publicado em edição extraordinária do Diário Oficial, em mais um passo da flexibilização das medidas de distanciamento social decretadas para conter o avanço do coronavírus.

A proibição do transporte intermunicipal foi uma das primeiras ações tomadas pelo Estado no início da epidemia para tentar criar um cinturão de proteção à região metropolitana. A medida será agora desfeita em fases, de acordo com o governo.

?A partir de sábado, será retomada a operação das linhas rodoviárias e vans intermunicipais, com exceção dos municípios de Barra Mansa, Pinheiral e Volta Redonda. Nessas cidades, permanece restrita a circulação de ônibus intermunicipal, ônibus fretado e vans nas conexões com outras cidades. O transporte coletivo entre os três municípios está mantido?, informou o Palácio Guanabara.

A decisão foi tomada depois que muitas cidades fluminenses retomaram gradualmente as atividades nesta semana, inclusive a capital, onde muitos trabalhadores vivem em outros municípios.

?A medida visa atender às demandas sociais e econômicas, tendo em vista a flexibilização progressiva do isolamento social adotada por diversos municípios?, acrescentou o governo.

O governador Wilson Witzel (PSC) disse nesta semana que pode promover na próxima semana a reabertura gradual da economia do Estado, mas condicionou a retomada à oferta de leitos em hospitais, o que envolveria a entrega dos atrasados hospitais de campanha.

Apesar do início da reabertura tanto no Rio de Janeiro como em outros Estados, o Brasil tem registrado recordes de mortes por Covid-19 nos últimos dias e já contabiliza mais de 34 mil vítimas da doença.

O Brasil é o segundo país do mundo com mais casos de Covid-19, com quase 615 mil casos, atrás apenas dos Estados Unidos, e caminha para se tornar também o segundo no número de óbitos. Atualmente o país tem menos óbitos que EUA (108.068) e Reino Unido (40.261).

(Por Rodrigo Viga Gaier; Edição de Pedro Fonseca)

Notícias