PUBLICIDADE
Topo

Como não ficar sem dinheiro de novo na próxima crise econômica

Júlia Mendonça

Júlia Mendonça é formada em comércio exterior pela Universidade Positivo. Atuou como planejadora financeira entre 2015 e 2018. Especialista em orientação e planejamento financeiro pessoal, é coach e consultora de finanças, pós-graduada em investimentos, finanças e banking. É influenciadora digital no nicho de finanças e investimentos em um dos maiores canais do assunto na área do Brasil.

do UOL

03/06/2020 04h00

A pandemia e a quarentena vieram como uma avalanche em 2020. Não bastasse tudo isso, a crise financeira decorrente da paralisação do comércio também chegou. São diversos os relatos de pessoas que ficaram sem emprego, que tiveram de fechar as portas do negócio e consequentemente ficaram sem dinheiro nos últimos meses.

Apesar de tudo isso ser imprevisível, tenho uma opinião em relação a finanças pessoais e dinheiro que pode soar um pouco controversa: a crise financeira pessoal só expõe os erros que tivemos no passado. Aqui é importante deixar um ponto claro: sei que a grande maioria da população brasileira não dispõe de recursos capitais para se blindar financeiramente.

O passado ensina

O fato é que existem pessoas e empresas que dispõem de recursos acima da média dos brasileiros e ainda assim foram devastadas pela crise. Nesse caso, é muito importante olharmos o passado para impedir que esses erros financeiros se repitam. Errar uma vez pode acontecer, mas insistir no erro não faz sentido.

Por isso, a partir de agora é preciso ter foco em planejar o futuro financeiro para que isso não aconteça novamente. Tudo começa pelo planejamento financeiro, pois é ele que vai mostrar quais são seus custos mensais e quanto você gasta para manter o seu padrão de vida. Aqui no blog Descomplique existem vários artigos que podem ajudar você a começar o seu.

Grandes impactos

Se hoje você tem dívidas e elas ocupam grande espaço no seu orçamento, é muito difícil diminuir seu padrão de vida. Qualquer redução na sua renda vai ter um impacto enorme no seu orçamento e a chance de seus débitos aumentarem neste momento é grande.

Se não tem dívidas ou tem poucas parcelas no seu orçamento, a "elasticidade" do seu orçamento é grande, já que com pequenos ajustes no seu dia a dia é possível diminuir bastante seus gastos mensais. Por isso é importante que quando tudo isso passar você foque em diminuir ao máximo suas dívidas. Pode requerer bastante esforço e sacrifício da sua parte, mas terá um grande impacto no futuro e evitará novas crises.

Tudo na planilha

Depois de ter todos os seus custos planilhados e ajustados, é importante começar a criar sua reserva de emergência. Ela é um valor que você vai deixar guardado para ser usado em situações de necessidade, como a crise atual. Separe 6 meses dos seus gastos mensais nessa aplicação para ficar tranquilo em qualquer situação.

Entenda o nível de instabilidade que têm seu trabalho e sua renda. Esse é um dos pontos para os quais pouca gente se atenta quando faz um planejamento financeiro. Se qualquer crise ou instabilidade econômica são capazes de deixar você endividado, é preciso adaptar seu trabalho ou negócio para que isso não se torne rotina.

Destaque-se

Crie formas de se diferenciar da concorrência. Isso pode ser feito de diversas maneiras, desde uma especialização na sua carreira até a migração de parte do seu negócio para a internet. O importante é usar as lições aprendidas durante este momento para evitar que isso aconteça novamente.

Crie planos para aumentar sua renda, escreva cada um deles num papel e pesquise quanto vai custar para realizá-los. Enquanto você não fizer isso, é bastante improvável que realize algum desses planos nos próximos anos.

Não deixe a próxima crise chegar para se arrepender mais uma vez de não ter cuidado das suas finanças. Comece desde já a melhorar seu cuidado com o dinheiro e logo você vai colher os frutos.

Descomplique: História da chefona do Magazine Luiza te ajuda a enriquecer

UOL Notícias

Notícias