PUBLICIDADE
Topo

Flexibilização de quarentena traz temor de aumento de casos de COVID-19 na Bolívia

29/05/2020 20h07

La Paz, 29 Mai 2020 (AFP) - A flexibilização da quarentena adotada pelo governo boliviano a partir de segunda-feira pode levar a um aumento nos casos de coronavírus no país, alertaram políticos e autoridades nesta sexta-feira(29).

"Com a retomada na segunda-feira (das atividades paralisadas), é muito provável que os casos que temos em La Paz dobrem", disse René Sahonero, diretor do Serviço Departamental de Saúde de La Paz.

Enquanto isso, a prefeita da cidade de Santa Cruz, Angélica Sosa, alertou que "relaxar a quarentena significa um aumento inimaginável de casos positivos".

Com quase 6.000 dos 8.000 infectados em todo o país, a região de Santa Cruz é a mais afetada pelo vírus.

Em geral, houve reações adversas à decisão da presidente interina, Jeanine Áñez, de flexibilizar a quarentena para impulsionar a economia e transferir a responsabilidade pelo gerenciamento da crise para os governos regionais e municipais.

O ex-presidente e candidato à presidência Carlos Mesa criticou a medida em um comunicado. "O governo decidiu encerrar a quarentena rígida, determinando o fim da declaração de emergência pelo coronavírus".

"Isso é feito quando a curva de contágio está no seu pico mais alto", acrescentou o ex-presidente (2003-2005).

Mesa, segundo nas pesquisas atrás de Luis Arce, candidato do ex-presidente Evo Morales, e à frente de Áñez, afirmou que o presidente decidiu "transferir toda a responsabilidade para os governos regionais e locais (em um contexto) de grave falta de liquidez ".

Enquanto isso, o departamento sul de Potosí decidiu continuar com a quarentena rígida até meados de agosto, uma medida que deve ser repetida em Santa Cruz.

As atividades podem ser realizadas entre às 05H00 e às 18H00 locais. O ministro de Obras Públicas, Iván Arias, também anunciou que "na melhor das hipóteses (as companhias aéreas) estariam operando voos domésticos a partir de quarta-feira".

As aulas nas escolas e universidades continuam suspensas, enquanto o transporte público deve retomar suas atividades com limitações. O governo de transição boliviano ordenou um bloqueio total em março que incluiu o fechamento de fronteiras e espaço aéreo, exceto para voos humanitários ou essenciais.

Até o momento, a Bolívia registrou 8.387 infectados e 293 mortos por coronavírus.

rb/fj/lp/jc

Notícias