PUBLICIDADE
Topo

Oi pede que supervisão de empresas não seja encerrada em 4/02/20

Beth Moreira

06/12/2019 19h36

A Oi informa, que juntamente com suas controladas, protocolou perante o Juízo da 7ª Vara Empresarial do Rio de Janeiro petição requerendo que a supervisão judicial das empresas Oi não seja encerrada em 4 de fevereiro de 2020, data em que a homologação do Plano de Recuperação Judicial completa dois anos.

Em fato relevante enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa diz que a medida de não encerramento da supervisão judicial não traz mudanças para a situação atual das empresas Oi e não tem impacto quanto ao cumprimento do Plano de RJ em vigor, nem em relação a créditos correntes e sobre eventuais novos recursos que vierem a ser acessados pelas Empresas Oi. A empresa destaca ainda que a continuidade de supervisão judicial ao fim do período de dois anos é uma medida natural que tem sido aplicada na maior parte dos processos de recuperação judicial.

"Não obstante o bom andamento da implementação do Plano de RJ, que já concluiu grande parte das etapas estabelecidas no processo e que foram importantes para a recuperação da companhia, o requerimento apresenta ao Juízo circunstâncias relacionadas à complexidade inerente à magnitude de seu processo de RJ e às reformas em curso no ambiente jurídicoregulatório, e que exigem providências ainda a serem implementadas no âmbito da recuperação judicial", diz. Segundo a empresa, o não encerramento da recuperação judicial permitirá que as Empresas Oi continuem a executar com estabilidade e transparência o seu Plano de recuperação judicial e manterá as empresas Oi focadas nas ações de melhoria voltadas aos seus clientes.

A Oi reitera seu compromisso na execução de seu plano estratégico de transformação com foco na massificação da fibra ótica no País e em negócios de maior valor agregado e com tendência de crescimento e visão de futuro. "Este movimento já começa a dar resultados positivos em seus indicadores operacionais e financeiros, e será acelerado a partir de 2020, alcançando consolidação em 2021", afirma.

Notícias