Topo

Falar que passa fome no Brasil é mentira, diz Bolsonaro; dados da ONU negam

do UOL

Luciana Quierati

Do UOL, em São Paulo

19/07/2019 10h55Atualizada em 19/07/2019 21h09

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse hoje que não existe fome no Brasil, mas não divulgou dados que comprovem a sua afirmação. Em 2017, 5,2 milhões de pessoas no Brasil passaram um ou mais dias sem consumir alimentos, segundo levantamento feito por agências da ONU. São os dados mais recentes ligados ao tema em órgãos internacionais.

"Falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira. Passa-se mal, não come bem. Aí eu concordo. Agora, passar fome, não", disse Bolsonaro, em café da manhã com correspondentes internacionais.

"Você não vê gente mesmo pobre pelas ruas com físico esquelético como a gente vê em alguns outros países pelo mundo", explicou o presidente, sem citar nominalmente as nações que mencionou na declaração.

A fala foi uma resposta do presidente a uma representante do jornal espanhol El País, em Brasília, que disse que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, havia manifestado preocupação com a desigualdade no Brasil e quis saber que trabalho o governo tem realizado para reduzir a pobreza no país.

Bolsonaro disse ainda que o Brasil é um país privilegiado e que o que os poderes Executivo e Legislativo podem fazer "é facilitar a vida do empreendedor, de quem quer produzir, e não fazer esse discurso voltado para a massa da população, porque o voto tem o mesmo peso", disse, criticando a política de bolsas de governos anteriores.

"É só as autoridades políticas não atrapalharem o nosso povo que essas franjas de miséria por si só acabam no Brasil, porque o nosso solo é muito rico para tudo o que se possa imaginar", disse.

Disse ainda que é o conhecimento que tira o homem da miséria. "A educação aqui no Brasil, nos últimos 30 anos, nunca esteve tão ruim", avaliou.

Fome e pobreza no país

De acordo com o relatório Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e Caribe 2018, divulgado no ano passado pela FAO (órgão da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura), 5,2 milhões de pessoas no Brasil estavam em estado de subalimentação (isto é, não contavam com alimentos suficientes para satisfazer suas necessidades energéticas) no triênio entre 2015 e 2017.

Ainda segundo o relatório, o Brasil, entre outros países, tem capacidade produtiva suficiente para promover a quantidade adequada de frutas e verduras para sua população, mas fatores como exportação contribuem para que que haja um déficit neste cenário.

O estudo ainda diz que pobreza e fome estão diretamente associadas. "O crescimento econômico, nem sempre, beneficia de forma igual os lares mais pobres, os indivíduos e os territórios", diz o relatório. "As políticas de proteção social contribuem para dar um piso de segurança, sustento e promoção para a redução da fome e da pobreza. Do contrário, os lares em situação de pobreza se veem forçados a investir seu tempo e seus recursos em atividades pouco rentáveis ou prejudiciais, ficando, assim, imersos na pobreza, sem capacidade de aquisição de bens básicos ou de fortalecer seus meios de subsistência".

O relatório mundial da FAO do mesmo ano mostrou que aproximadamente 821 milhões de pessoas viviam em situação de fome no mundo. Ao distinguir a fome, o órgão divide as categorias de insegurança alimentar em: moderada (a pessoa não tem recursos para uma alimentação saudável e fica ocasionalmente sem comer) ou grave (fica um dia inteiro sem comer várias vezes por ano).

Em entrevista ao UOL em outubro do ano passado, o brasileiro José Graziano da Silva, então diretor-geral da FAO, disse que, embora a fome tenha se mantido em patamar relativamente baixo no Brasil desde o começo da década de 2010, o quadro de desemprego e subemprego enfrentado poderia levar o Brasil de volta ao grupo de países em que a fome é alarmante, o chamado Mapa da Fome, do qual saiu em 2014.

Segundo cálculo da Folha de S.Paulo com base em documento divulgado em 4 de abril pelo Banco Mundial, a crise econômica dos últimos anos empurrou 7,4 milhões de brasileiros para a pobreza entre 2014 e 2017.

Com isso, houve um salto de 20,5% - de 36,5 milhões para quase 44 milhões - no número de pessoas vivendo com menos de US$ 5,5, ou seja, R$ 21,20, por dia.

Mais Notícias