PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Real pode manter valorização no curto prazo, mas será pressionado depois por fiscal e Fed, diz Itaú

12/05/2021 13h42

SÃO PAULO (Reuters) - O real pode continuar a se fortalecer "mais intensamente" no curto prazo, passado o "susto" com a inflação nos Estados Unidos, mas a moeda brasileira voltará a ser pressionada mais para o fim do ano pelas recorrentes incertezas fiscais domésticas e pelo debate sobre redução de estímulos nos EUA, disse o economista-chefe do Itaú Unibanco, Mario Mesquita.

Em 2021, a taxa de câmbio ainda deve se beneficiar dos preços mais altos das commodities e da posição relativa da política monetária brasileira em relação à dos EUA --o BC aqui sobe os juros, enquanto o Fed ainda promete manter as taxas perto de zero.

"Mas não vai ser tanto esse o caso no ano que vem", disse Mesquita ao se referir à situação da política monetária norte-americana em 2022, quando, segundo o economista, o Fed deverá reduzir estímulos, diminuindo a oferta de dólares no sistema.

Os mercados reagiam com forte alta do dólar em todo o mundo nesta quarta a dados mostrando que a inflação ao consumidor norte-americano teve em abril a maior alta em quase 12 anos, o que voltava a turbinar expectativas de alta de juros e corte de estímulos nos EUA.

"Também a gente admite que pode ter preços de commodities sustentados por mais tempo, alguns trimestres, mas a gente não acha que estamos num novo superciclo de commodities, que seria positivo para o real", afirmou.

Mesquita explicou que o superciclo de "dez, 15 anos atrás" teve muita relação com o estágio de desenvolvimento da economia chinesa na época, que hoje está diferente.

"As commodities ajudam um pouco (o real), mas nem tanto. A política monetária ajuda, mas nem tanto. E o risco fiscal segue elevado", resumiu o ex-diretor do Banco Central.

O Itaú projeta que o dólar fechará este ano em 5,30 reais, indo a 5,50 reais ao fim de 2022. A moeda era negociada no mercado à vista em torno de 5,26 reais nesta quarta-feira.

A taxa de câmbio experimentou um importante alívio recentemente. Desde as máximas de abril, um pouco acima de 5,76 reais, o dólar acumula baixa nominal de 8,6% ante o real, com base em contratos futuros da B3. A moeda dos EUA fechou na véspera nas mínimas em quatro meses.

Ao mesmo tempo, a volatilidade implícita --uma medida de incerteza sobre os rumos da moeda brasileira-- caiu a mínimas desde março do ano passado, sugerindo menos pressão cambial no curto prazo.

Para Mesquita, a queda na volatilidade implícita pode ter a ver com as recentes altas de juros pelo BC, que já elevaram a Selic em 150 pontos-base desde março, tirando a taxa de uma mínima recorde de 2% para 3,50%.

(Por José de Castro)

Notícias