PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Premiê da Índia recebe vacina produzida no país em ampliação de campanha de imunização

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, toma 1ª dose da Covaxin, vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech - India"s Press Information Bureau/Reuters
O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, toma 1ª dose da Covaxin, vacina contra o coronavírus desenvolvida pelo laboratório indiano Bharat Biotech Imagem: India's Press Information Bureau/Reuters

Por Jatindra Dash e Sumit Khanna

01/03/2021 10h48

BHUBANESWAR, Índia (Reuters) - O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, foi inoculado com a primeira dose de uma vacina contra coronavírus fabricada no país hoje, iniciando uma ampliação da campanha de vacinação indiana no momento em que as infecções aumentam em alguns Estados.

Pessoas de mais de 60 anos e aquelas de 45 ou mais que sofrem de certos problemas médicos agora podem ser vacinadas, mas alguns centros de vacinação relataram problemas com o portal público Co-Win, usado para coordenar a campanha, o que pode retardar o progresso.

A Índia, que tem o maior número de casos de covid-19 do mundo depois dos Estados Unidos, vacinou 12 milhões de profissionais de saúde e da linha de frente desde que iniciou seu programa de imunização, em meados de janeiro. O país quer cobrir 300 milhões de seu 1,35 bilhão de habitantes até agosto.

"Apelo a todos aqueles que estão habilitados para que tomem a vacina", disse Modi, de 70 anos, no Twitter, publicando uma foto na qual recebe o imunizante em um hospital do governo em Nova Délhi. "Juntos, vamos livrar a Índia da covid-19!"

Na semana passada, o governo disse que deixaria as pessoas escolherem seu centro de vacinação, na prática permitindo que os beneficiários escolham a vacina doméstica Covaxin ou a da AstraZeneca, o que não acontecia antes.

A campanha de inoculação está mais lenta do que o esperado por causa de uma relutância de profissionais de saúde e da linha de frente para receber a Covaxin, que foi aprovada sem dados de eficácia de estudos de estágio avançado.

(Reportagem adicional de Anirudh Saligrama e Anuron Kumar Mitra)

Notícias