PUBLICIDADE
Topo

MT: Governador nega ter subestimado pandemia: 'População resiste a medidas'

Mauro Mendes (DEM), governador do Mato Grosso - Mauro Mendes/Facebook/Divulgação
Mauro Mendes (DEM), governador do Mato Grosso Imagem: Mauro Mendes/Facebook/Divulgação
do UOL

Do UOL, em São Paulo

15/07/2020 15h30

O governador do Mato Grosso, Mauro Mendes (MDB), negou que tenha subestimado a pandemia do novo coronavírus. O estado viu o número de casos e mortes avançar e foi classificado como o epicentro da doença no país, segundo a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

"Esse título de epicentro não é muito verdade porque ele migra a cada dia, a cada semana pelo Brasil. Ela passou pelo Rio de Janeiro, depois Nordeste, bateu forte no Norte, e agora chegou, infelizmente, a vez do Centro-Oeste", disse ele em entrevista à CNN Brasil.

Mendes reconheceu o salto no número de casos e mortes no estado em decorrência da doença provocada pelo novo coronavírus e jogou parte da responsabilidade sobre a população que não tem aderido às medidas impostas pelas autoridades.

"Independente dessa métrica, é verdade que cresceu muito o número de contágio na semana. A população do Mato Grosso vinha tendo um nível de atividade econômica acima do desejado. Lá no mês de março, quando tivemos o primeiro caso, tivemos alguns pouco prefeitos que fizeram um lockdown. Isso estressou a população, causou danos aos empresários, e agora que é um momento crítico, existe uma resistência das pessoas em aderirem a esse movimento".

O governador afirmou que o estado tem 93% das UTIs ocupadas, índice que supera os 50% nos leitos clínicos, e que há pacientes na fila de espera.

"Não subestimei a pandemia. Nós teremos um momento crítico e vamos superar. O que nós precisamos é concentrar energia para abrir mais leitos, tanto o governo quando as prefeituras, e fazer essa aposta nas medidas preventivas, que seja o medicamento e o distanciamento social, ainda que ele seja amargo, mas é eficiente", declarou.

Mendes ainda destacou que o estado sofre com "falta de profissionais e a falta de medicamentos exclusivos de UTIs".

"A gente tem estoque para 15 dias, o governo federal manda mais, então é um momento delicado".

Segundo ele, o estado tem hoje um estoque de EPIs para hospitais e médicos para quatro meses de pandemia.

De acordo com o último boletim da secretaria estadual de Saúde, na noite de ontem, o Mato Grosso tem 29.918 casos confirmados de covid-19 e 1.157 mortes em decorrência da doença.

Notícias