PUBLICIDADE
Topo

"Nenhuma criança nasce racista", diz Jérôme Boateng

Jonathan Harding (as)

06/06/2020 15h53

"Nenhuma criança nasce racista", diz Jérôme Boateng - Em entrevista à DW, jogador do Bayern de Munique, diz que racismo é muito presente na Alemanha, apesar de considerar país tolerante na comparação com outros. Combate ao problema deve começar na escola, afirma.O combate ao racismo deve começar cedo, ainda nas escolas, e ser uma parte importante do currículo escolar, afirmou o jogador de futebol Jérôme Boateng, do Bayern de Munique, em entrevista à DW.

"Nenhuma criança nasce racista. Isso sempre depende dos pais e daquilo que eles passam para seus filhos", afirmou o jogador, campeão do mundo em 2014.

Ele disse perceber racismo também na Alemanha, apesar de ressalvar que, "no geral, a Alemanha é um país tolerante".

Boateng nasceu e passou a infância em Berlim, morando com a mãe. O pai, natural de Gana, deixou a família quando ele tinha apenas cinco anos. Em entrevista à DW, ele fala sobre racismo e o papel de atletas famosos como ativistas.

DW: O que o senhor, como um alemão que vive na Alemanha, pensa quando vê as atuais imagens que chegam dos Estados Unidos?

Jérôme Boateng: Essas imagens me chocam. É brutal tudo isso que se vê nas redes sociais. Infelizmente os protestos estão assumindo formas complicadas. Ainda assim, o caso George Floyd joga na nossa cara como o racismo que os negros sofrem ainda é amplamente disseminado nos Estados Unidos e o papel que o racial profiling [abordagem policial com base em critérios raciais] desempenha nos EUA.

Acho tudo isso muito triste, até porque eu costumo estar com frequência nos Estados Unidos e porque gosto do país e da cultura. Mas isso não é nada de novo, é algo sempre presente. Racismo existe em todos os lugares, mas nos Estados Unidos é mesmo algo extremo.

Eu li uma boa citação sobre isso: o racismo é como uma sala escura e, de vez em quando, alguém liga a luz, e tudo se revela.

Se você para para pensar o quanto os afro-americanos fazem pela imagem e pela cultura nos Estados Unidos, tudo isso soa inexplicável para mim. Eu me refiro ao esporte, à moda e à música. Barack Obama, como presidente, também seria uma referência.

O senhor vê paralelos com a situação na Alemanha?

Racismo é, com certeza, um tema na Alemanha e muito presente. Nos últimos anos, houve atentados contra estrangeiros e pessoas de outras confissões. No geral, caminha-se para uma certa direção, e eu tenho a impressão de que já estávamos numa situação melhor.

Na minha infância, em Berlim, também tive algumas experiências com o racismo, é claro. Mas também me lembro dos tempos nas quadras de futebol em que não importava de onde se vinha ou de que religião se era. Éramos iranianos, africanos, turcos, alemães. Ninguém pensava nem falava muito sobre isso. Trata-se de convivência.



O senhor acredita que os afro-alemães na Alemanha não são muito presentes ou são pouco reconhecidos?

Pessoas com raízes africanas são subrepresentadas em alguns setores. Tem-se a impressão de que, como esportista, o reconhecimento vem mais fácil. Mas também não quero dizer que tudo é ruim. No geral, a Alemanha é um país tolerante. Eu mesmo tive muitas experiências positivas. Há muitos países na Europa onde a situação é bem pior.

Nos tempos atuais, os esportistas devem também ser ativistas?

Nossa opinião é ouvida, temos uma plataforma e alcance. Mas acho importante que tudo não ocorra apenas nas redes sociais. Ações como o "BlackOutTuesday"[ação nas redes sociais em que imagens pretas são postadas para protestar contra o racismo e a violência policial] são boas, mas o que realmente interessa é botar a mão na massa e fazer algo, seja um trabalho com crianças, seja um outro projeto de integração. Todos podem ajudar.

Muitos jogadores de futebol negros se expressaram sobre o caso George Floyd. Como os seus colegas brancos podem manifestar apoio?

Nem todo esportista branco que não fala nada neste momento é um racista. Isso é óbvio. Quando vejo vídeos de manifestações, vejo pessoas de todas as cores. Mas claro que é desejável que eles usem sua notoriedade em favor dessa questão. Muitos já fazem isso, mas creio que ainda há espaço para muito mais.

O que é necessário fazer para melhorar a situação?

Tudo começa com a educação das crianças. Isso é o mais importante. Nenhuma criança nasce racista. Isso sempre depende dos pais e daquilo que eles passam para seus filhos. É importante ensinar às crianças que o racismo não é aceitável. E se elas veem alguém sendo xingado, que o protejam e se defendam. Isso deve começar nas escolas e ser uma parte importante do currículo. Só assim podemos avançar.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
| App | Instagram | Newsletter


Autor: Jonathan Harding (as)

Notícias