PUBLICIDADE
Topo

Weintraub fica em silêncio em depoimento à PF em inquérito das fake news

29/05/2020 16h56

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) - Em meio à escalada de tensão entre o presidente Jair Bolsonaro e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro da Educação, Abraham Weintraub, permaneceu em silêncio no depoimento que prestou nesta sexta-feira no inquérito das chamadas fake news, após declarações dadas por ele em reunião ministerial do dia 22 de abril, afirmou à Reuters uma fonte com conhecimento do caso.

Segundo a fonte, o depoimento ocorreu no prédio do Ministério da Educação em Brasília e se encerrou no meio da tarde.

Procurada, a assessoria de imprensa do ministério disse, por meio de nota, que "por se tratar de inquérito sigiloso, qualquer informação sobre o caso deve ser requerida junto ao juízo da causa. Portanto, a pasta não irá se manifestar".

Na reunião de abril, tornada pública em vídeo na sexta-feira passada, Weintraub deu uma declaração polêmica envolvendo os ministros do Supremo. "Eu, por mim, botava esses vagabundos todos na cadeia. Começando no STF", disse o ministro da Educação no encontro.

Na terça-feira, o ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news, havia dado 5 dias de prazo para que a PF tomasse o depoimento do ministro no inquérito.

Na prática, o depoimento de Weintraub ocorreu antes do fim do prazo estipulado e também antes de uma decisão sobre o habeas corpus impetrado no STF pelo ministro da Justiça, André Mendonça, que pedia a suspensão da oitiva do colega de Esplanada.

Bolsonaro, que tem criticado duramente iniciativas do Supremo, como o próprio inquérito das fake news relatado por Moraes, chegou a dizer que "ordem absurda não se cumpre".

Notícias