PUBLICIDADE
Topo

Espanha registra mais de 900 mortes por coronavírus pelo segundo dia consecutivo

03/04/2020 10h20

Madri, 3 Abr 2020 (AFP) - A Espanha registrou 932 novas mortes por coronavírus nas últimas 24 horas, o que eleva o balanço global de vítimas fatais a 10.935, anunciou o ministério da Saúde nesta sexta-feira.

Este é o segundo dia consecutivo que o país supera a barreira de 900 mortes diárias, depois do recorde de 950 óbitos registrado na quinta-feira.

A Espanha é o segundo país do mundo, depois da Itália, em número de mortes provocadas pela pandemia da COVID-19.

Em termos percentuais, a tendência mantém a redução gradual, a 9,3%, depois de alcançar 27% na semana passada. Por este motivo, as autoridades de saúde espanholas afirmam que o país atingiu ou pode estar superando o pico da epidemia.

O número de casos notificados subiu para 117.710, também com uma pequena desaceleração na comparação com quinta-feira.

Dados que levaram as autoridades de saúde a afirmar que o pico da epidemia foi atingido ou já pode estar sendo superado.

"Estamos indo bem, os dados de novos casos estão estabilizados, (...) as tendências estão corretas", disse Fernando Simón, diretor de emergências de saúde do país, com tímido otimismo, conectado de sua casa, onde está isolado com coronavírus.

As regiões mais afetadas continuam sendo Madri, com pouco mais de 40% dos falecidos (4.483), e Catalunha (2.335).

As duas zonas prosseguem com as emergências de vários hospitais saturadas pelo fluxo intenso de pacientes, o que levou os centros médicos, de acordo com testemunhas, a restringir as internações e privilegiar as pessoas com melhor histórico clínico.

A situação é tão séria em Madri que dois necrotérios foram improvisados, um deles em uma pista de patinação no gelo em um shopping center, enquanto o centro de exposições do IFEMA foi transformado em hospital de campanha, com capacidade para mais de 5.000 leitos.

"É um bom dia porque estamos dando mais altas", disse à AFP Fernando Prados, coordenador geral do hospital de campanha do IFEMA, aberto em 21 de março.

"Já temos 900 pessoas curadas neste hospital, por onde mais de 2.000 pacientes já passaram", informou Prados.

Os espanhóis estão confinados desde 14 de março, por decreto do governo, e devem continuar assim pelo menos até 11 de abril. O governo determinou a paralisação de todas as atividades "não essenciais" até o final da próxima semana, o que reduziu ainda mais os deslocamentos da população.

O governo decidirá nos próximos dias se prolonga o confinamento, informou na quinta-feira o ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska, ao destacar que o objetivo continua sendo reduzir os contágios para não provocar o colapso do sistema de saúde.

"Estamos vendo uma diminuição no número de casos diários, mas existe o risco de que, se não continuarmos com as medidas necessárias pelo tempo necessário, todo esse progresso que tivemos será revertido", afirmou Fernando Simón.

A mobilidade foi bastante reduzida com medidas de confinamento, segundo as autoridades, que anunciaram mais controles nas estradas neste fim de semana para impedir que as pessoas tentem ir para uma segunda casa de férias, algo proibido durante o atual estado de alarme.

Mais de 1.100 pessoas foram detidas pela polícia por bular o confinamento, disse o comissário José García Molina.

du/mg/bl/fp

Notícias