PUBLICIDADE
Topo

Ministro alemão diz que ataque a bares frequentados por turcos foi xenófobo

REUTERS/Kai Pfaffenbach
Imagem: REUTERS/Kai Pfaffenbach

20/02/2020 07h33

Pelo menos nove pessoas morreram na noite desta quarta-feira (19) em dois tiroteios na cidade alemã de Hanau, perto de Frankfurt. Segundo a promotoria antiterrorista, o suspeito do ataque é um militante de extrema-direita, encontrado morto em sua casa ao lado do corpo de sua mãe, segundo as autoridades alemãs.

De acordo com o ministro do Interior da região de Hesse, Peter Beuth, o ataque foi "um ato xenófobo", provavelmente de extrema direita. O suspeito tinha 43 anos e era titular de uma licença de tiro. A polícia encontrou em seu domicílio um vídeo reivindicando o ataque e uma carta assumindo suas posições ideológicas. No carro usado no ataque, também foram encontradas munições, revistas especializadas e armas de fogo. A informação foi divulgada na revista Bild.

O primeiro ataque aconteceu em bar de narguilé no centro de Hanau, com cerca de 90.000 habitantes. Segundo testemunhas, foram ouvidos cerca de dez tiros. Ele teria deixado o local de carro e, segundo a polícia, foi ao bar Arena, na praça Kurt-Schumacher, no distrito de Kesselstadt. Neste local ocorreu o segundo tiroteio, que deixou vários feridos. Diversas vítimas eram turcas - uma nacionalidade bastante presente na Alemanha. "Esperamos que as autoridades alemãs façam o possível para esclarecer o caso. O racismo é um câncer generalizado", escreveu o porta-voz no Twitter.

Alemanha é alvo de ataques

Nos últimos anos, a Alemanha foi alvo de vários ataques de extremistas - um deles deixou 12 pessoas mortas em Berlim, em dezembro de 2016. A ameaça de terrorismo de extrema direita preocupa as autoridades do país, principalmente desde o assassinato, em junho do ano passado, do deputado alemão Walter Lübcke, do partido da chanceler Angela Merkel.

Na sexta-feira passada, 12 membros de um grupo de extrema direita foram presos. Os investigadores acreditam que eles planejavam ataques em larga escala contra mesquitas, inspirados nos atentados de Christchurch, na Nova Zelândia. Em outubro, um homem ligado à extrema direita tentou atacar uma sinagoga em Halle, na Saxônia-Anhalt.

Como não conseguiu entrar no edifício religioso onde os fiéis haviam se entrincheirado, ele atirou em um pedestre e no cliente de um restaurante de kebab, transmitindo toda a ação ao vivo pela internet. Em Dresden, oito neonazistas foram julgados por quase cinco meses por planejar ataques contra estrangeiros e políticos.

Notícias