PUBLICIDADE
Topo

No Reino Unido, duque é criticado em debate sobre desigualdade

Ben Stupples

09/12/2019 12h07

(Bloomberg) -- Hugh Grosvenor, o sétimo duque de Westminster, é a terceira pessoa mais rica do Reino Unido. Solteiro, também é considerado por alguns como o melhor partido do país.

O duque tentou ficar longe dos holofotes desde que herdou seu título em 2016, mas, ultimamente, isso é quase impossível para um bilionário, especialmente alguém com um império global de imóveis.

O duque e sua empresa Grosvenor Group são alvo de crescentes críticas. A empresa enfrenta oposição aos planos de demolir uma torre de Londres que abriga alguns dos moradores mais pobres da cidade, atraindo manchetes negativas em meio ao debate sobre o aumento da desigualdade. Jeremy Corbyn, líder do Partido Trabalhista, disse em outubro que o duque de 28 anos era "desonesto", parte de um ataque generalizado aos bilionários britânicos e ao "sistema fraudulento".

Isso deixa a Grosvenor Group em uma posição invejável com a eleição desta semana.

Se o Partido Conservador sob o comando de Boris Johnson vencer as eleições de 12 de dezembro, o Brexit seguirá em frente, potencialmente desvalorizando o imóvel de Londres.

Todas as pesquisas de opinião de jornais britânicos publicadas no domingo dão aos conservadores uma clara vantagem sobre o Partido Trabalhista, apesar da divergência em relação aos números.

Mas, se o Partido Trabalhista formar governo, a fortuna da família poderá enfrentar uma ameaça existencial. Corbyn defende impostos mais altos para ricos, restrições aos proprietários de terras e também sugeriu registros públicos para os trusts que administram discretamente o patrimônio da família Grosvenor e de outros clãs dinásticos.

Um governo trabalhista "exigiria muito mais transparência do patrimônio, principalmente com trusts", disse Richard Murphy, professor de economia política internacional da City University of London. O duque "não escolheu ser o que é, pois isso é obra do destino, mas é uma personificação de uma forma de propriedade cujo tempo já passou".

Um porta-voz do duque de Westminster não quis comentar.

Os Grosvenors enfrentaram desafios mais sombrios do que um governo trabalhista, tendo sobrevivido a guerras e a mudanças políticas.

A linhagem remonta há quase mil anos, até um parente de Guilherme, o Conquistador, que saiu da Normandia para invadir a Inglaterra em 1066. A fortuna da família começou a ser acumulada através de minas e minerais, mas o patrimônio atual é resultado de um casamento ocorrido no século XVII. Sir Thomas Grosvenor recebeu 200 hectares a oeste da cidade de Londres como dote dos pais de sua noiva, de 12 anos.

Os bairros Mayfair e Belgravia agora concentram alguns dos inquilinos mais abastados de Londres, incluindo varejistas de luxo, galerias de arte e hedge funds.

O Grosvenor Group expandiu-se para 60 cidades no mundo todo e tinha 12,3 bilhões de libras (US$ 15,9 bilhões) em ativos no fim do ano passado. Mas o núcleo da empresa ainda é Londres.

O braço filantrópico do Grosvenor Estate visa combater alguns dos efeitos mais adversos da desigualdade em suas propriedades, apoiando instituições de caridade que têm como alvo os sem-teto. Também oferece escritórios em Londres para organizações sem fins lucrativos, como Childhood Trust, que foca no combate à pobreza.

Mas as tensões aumentam, especialmente onde o Grosvenor Group interage com os menos abastados.

A poucas quadras da Sloane Square, em Belgravia, uma das sofisticadas áreas de Londres, a Grosvenor Group quer demolir apartamentos para construir um complexo residencial com novas lojas, restaurantes e duplicar os imóveis mais baratos existentes.

--Com a colaboração de Jack Sidders.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net

Notícias