PUBLICIDADE
Topo

EUA ocultou dúvidas sobre vencer guerra no Afeganistão, diz jornal

Investigação se baseia em quase 2 mil documentos organizados para revisar os gastos abusivos relacionados ao conflito - Thomas Watkins/AFP
Investigação se baseia em quase 2 mil documentos organizados para revisar os gastos abusivos relacionados ao conflito Imagem: Thomas Watkins/AFP

09/12/2019 19h06

Washington, 9 dez 2019 (AFP) - Os sucessivos governos dos Estados Unidos declararam publicamente, a partir de 2002, que faziam progressos na luta contra os rebeldes talibãs no Afeganistão, enquanto percebiam o contrário, revela o jornal Washington Post nesta segunda-feira.

Sob o título "Em guerra com a verdade", a investigação se baseia em quase 2 mil documentos da Inspeção Geral Especial para a Reconstrução do Afeganistão (Sigar), criada em 2008 para revisar os gastos abusivos relacionados ao conflito neste país.

As entrevistas com funcionários envolvidos nos esforços de guerra e reconstrução revelam gastos sem controle em um país sem um governo central forte, o que alimentou uma corrupção generalizada e levou à população a rejeitar a coalizão internacional (Isaf) a apoiar os talibãs.

"De embaixadores a pessoal de campo, (os funcionários americanos dizem que) estamos fazendo um grande trabalho. Realmente? Porque se estamos fazendo um grande trabalho, por que há o sentimento de que estamos perdendo?" - questionou em 2015 o general Michael Flynn, que realizou várias missões de inteligência no Afeganistão.

Um oficial superior, identificado como coronel Bob Crowley, assessor da Isaf em 2013-2014, explicou em 2016 que "cada dado foi modificado para passar a melhor imagem possível".

"As pesquisas, por exemplo, não eram confiáveis, e reforçavam a ideia de que estávamos fazendo tudo bem".

Para Douglas Lute, chefe de Iraque e Afeganistão no Conselho de Segurança Nacional (2007-2014), a missão de reconstrução teve uma falha de projeto.

"Não tínhamos uma compreensão básica do Afeganistão. Não sabíamos o que estávamos fazendo. Se os americanos soubessem da magnitude deste equívoco...", diz Lute em um documento de 2015.

Notícias