Topo

Sabe quanto pode ganhar um influenciador digital por mês?

do UOL

Vinicius Pereira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

22/11/2019 04h00

Resumo da notícia

  • Influenciadores ganham dinheiro promovendo produtos na internet
  • Redes sociais (principalmente o Instagram) impulsionaram a profissão
  • Quanto maior o número de seguidores, maior a renda; megainfluencidores chegam a ganhar R$ 500 mil por mês
  • Mercado aposta no crescimento de microinfluenciadores

Quem navega pelas redes sociais volta e meia encontra influenciadores digitais falando sobre algum produto. O que parece apenas uma dica é na verdade a forma de gerar receita para esse tipo de trabalho. Com tais indicações, profissionais desse ramo já faturam milhões por ano, dignos de uma pequena empresa.

Posts, stories e vídeos têm preços diferentes. e todos são formas de monetizar a produção de conteúdo dessas pessoas que, graças ao estilo de vida que levam, conseguem mudar o comportamento de seus seguidores.

Assim como acontece entre jogadores de futebol, por exemplo, o rendimento varia muito entre os vários níveis de profissional. De qualquer forma, o UOL apurou que alguns grandes influenciadores chegam a ganhar de R$ 300 mil a R$ 500 mil por mês, em média.

Influenciadores estão na moda, mas profissão é antiga

Foi com o advento das redes sociais, como Instagram e YouTube, que os influenciadores vieram à tona. A profissão, contudo, é antiga.

Nos anos 1760, uma marca de porcelana inglesa chamada Wedgwood usou a rainha Charlotte para promover os seus produtos. A marca existe até hoje e a iniciativa é considerada o início da publicidade com influenciadores.

Desde esse início até a massificação das redes sociais, as marcas se aliavam a pessoas com algum destaque em seus ramos de atuação e que estavam periodicamente na grande mídia. A parceria entre Nike e Michael Jordan no lançamento de uma linha de tênis nos anos 1990, por exemplo, marcou época.

Produtores de conteúdo passaram a se destacar

Com a chegada das redes sociais, houve uma democratização dos influenciadores, que, com a facilidade na produção de conteúdo (de qualidade ou não), chamaram a atenção de grandes marcas.

"Com o advento das redes sociais, cada pessoa tem um canal próprio para entregar conteúdo e captar uma audiência própria. Antes, as marcas precisavam falar com você por meios de comunicação de massa", disse Fernanda Vicentini, professora de Influenciadores Digitais na pós-graduação da ESPM.

"Hoje essas pessoas conseguem influenciar o comportamento de outras pessoas a adquirir produtos e serviços e até debater assuntos sérios por meio das redes."

Dessa forma, a aceitação de um produto, antes feita por meio do próprio círculo social, agora é realizada por um influenciador.

"A validação social, hoje, acontece nas redes. Não é mais nas referências sociais. O influenciador é um validador", afirmou Thiago Costa, coordenador da pós-graduação em comunicação e marketing digital da FAAP.

Faturamento depende do número de seguidores

Apesar de não haver uma regulação dessa área de influenciadores, o mercado publicitário divide esses profissionais de acordo com o número de seguidores que cada um tem.

Megainfluenciadores são os que possuem mais de 1 milhão de seguidores nas redes sociais. Com todo esse suporte, o ganho mensal chega a R$ 500 mil.

Pouco abaixo fica o grupo de macroinfluenciadores, que ficam entre 200 mil e 1 milhão de seguidores. Para essa faixa, os ganhos mensais são de R$ 100 mil em média.

Já os médios, que possuem entre 20 mil e 200 mil seguidores, chegam a faturar R$ 30 mil.

Ainda existem microinfluenciadores, que apesar de faturarem até R$ 15 mil mensais, são, agora, a aposta do mercado publicitário, pois não carregam a desconfiança do consumidor acerca da credibilidade.

"Hoje, o consumidor compra coisas porque um influenciador fala, mas desconfia porque acha que eles estão fazendo isso só por dinheiro. A tendência é positiva para microinfluenciadores, pois passam maior credibilidade aos clientes", disse Thiago Costa, da FAAP.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas.

Mercado de influenciadores deve movimentar US$ 7 bi em 2020

Band Notí­cias

Notícias