Topo

Turquia pede que EUA use sua "influência" para que curdos deixem norte da Síria

19/10/2019 21h34

Istambul, 20 Out 2019 (AFP) - A Turquia pediu aos Estados Unidos que usem sua "influência" com as forças curdas para que se retirem "sem incidentes" do nordeste da Síria, disse o porta-voz da presidência turca à AFP, acrescentando que seu país não pretende "ocupar" esta região de fronteira.

"Estamos comprometidos com este acordo [concluído quinta-feira com os Estados Unidos]. Este prevê sua saída em cinco dias e pedimos aos colegas americanos que usem sua influência e contatos para garantir que [os combatentes curdos] se retirem sem incidentes", disse o porta-voz Ibrahim Kalin durante uma entrevista à AFP.

O acordo alcançado na quinta-feira pelo vice-presidente dos EUA Mike Pence durante uma visita a Ancara prevê uma suspensão de 120 horas da ofensiva turca lançada em 9 de outubro para permitir a retirada da milícia curda das Unidades de Proteção Popular (YPG) do Área nordeste da Síria na fronteira com a Turquia.

Ancara chama as YPG de "terroristas" por seus laços com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que trava uma sangrenta guerrilha na Turquia desde 1984.

Além da retirada das YPGs, o acordo prevê o estabelecimento de uma "zona de segurança" com 32 km de largura em território sírio. O comprimento dessa faixa ainda não foi definido, mas no longo prazo o presidente turco Recep Tayyip Erdogan deseja que ela se estenda por quase 450 km.

- "Ir embora sem combate" -As forças curdas acusaram a Turquia de violar o acordo, continuando os bombardeios, mas Kalin atribui "todos os incidentes" às YPG.

"Nossos militares estão em contato com suas contrapartes (americanos) para garantir que as YPGs irão embora sem combate", acrescentou.

Kalin, cujo país controla várias áreas do norte da Síria após as duas operações militares anteriores, disse que a Turquia não planeja ficar.

"Não temos a intenção de ocupar uma parte da Síria ou de permanecer indefinidamente", garantiu.

A ofensiva turca provocou condenações internacionais devido ao papel crucial desempenhado pelas YPG na luta contra os jihadistas do grupo Estado Islâmico (IS).

Cerca de 12.000 combatentes da EI, dos quais entre 2.500 e 3.000 estrangeiros, estão em prisões sob controle da YPG, de acordo com estimativas de fontes curdas.

Kalin acusou as forças curdas de usarem esses prisioneiros "como meio de chantagem para obter apoio do Ocidente" e de libertar dezenas deles nos últimos dias para aumentar a pressão sobre a Turquia.

Segundo ele, 196 membros do EI "libertados" pela YPG "foram capturados" na sexta-feira pelo exército turco e pelas milícias sírias que o apoiam no nordeste da Síria. "Eles estão detidos em um local seguro".

- "Extremamente significativo" -A Turquia quer estabelecer uma zona de segurança na Síria para remover as forças curdas de sua fronteira e instalar parte dos 3,6 milhões de refugiados sírios que hospeda em seu território.

Kalin diz que será voluntário. "Nunca iremos recorrer a meios que forçam os refugiados a ir a algum lugar contra a sua vontade ou violando a sua dignidade".

Por outro lado, ele descreveu como "extremamente significativo" o encontro que Erdogan realizará em 22 de outubro com seu colega russo Vladimir Putin, aliado do regime do presidente sírio Bashar al Assad e fundamental para evitar possíveis confrontos entre forças turcas e sírias.

A milícia das YPG pediu ajuda ao exército sírio, o que lhe permitiu implantar em áreas do norte do país que não controlava há anos, com o consequente risco de incidentes com forças turcas nos setores em que Ancara está presente.

ezz-fo/cls/erl/cc

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Notícias