Topo

Padre que teria cantado homem casado é afastado por "comportamento imoral"

Reprodução de suposta conversa entre um padre de Pintangui (MG) e um homem casado - Reprodução
Reprodução de suposta conversa entre um padre de Pintangui (MG) e um homem casado Imagem: Reprodução
do UOL

Daniel Leite

Colaboração para o UOL, em Juiz de Fora (MG)

20/09/2019 21h35

Um padre da paróquia de Pitangui (MG), a 127km de Belo Horizonte, foi afastado das atividades por ter sido "acusado publicamente de comportamento moral impróprio e escandaloso a um clérigo", segundo comunicado publicado no site oficial da Diocese de Divinópolis, à qual pertence a paróquia onde o religioso atuava.

O decreto sobre o afastamento do religioso, de 58 anos, foi assinado pelo bispo diocesano, José Carlos de Souza Campos, e divulgado ontem, citando o pároco nominalmente. Com isso, ele não poderá celebrar a eucaristia, mesmo que de forma privada, nem batizar e ouvir confissões, exceto em caso de "perigo de morte".

As sanções ao padre são "penas medicinais, na expectativa de que a verdade venha à tona", diz o documento. No Direito Penal Canônico, essas penas são, na verdade, uma censura com o objetivo de correção.

Apesar de o documento publicado pela igreja não deixar claro o que o padre teria feito de errado, moradores de Pitangui suspeitam que seja uma resposta a um suposto diálogo pelo whatsapp dele com um homem casado. O religioso teria convidado a pessoa para ir a um motel. Questionado na suposta conversa se não seria pecado, ele teria respondido que "casado não é capado".

Um morador de Pitangui disse por telefone, sob condição de anonimato, que o assunto é o mais comentado na cidade, de 28 mil habitantes, desde a notícia das sanções ao padre. "Tá o maior comentário aqui, mas provar ninguém prova. Eu mesmo não julgo ninguém".

Segundo ele, nas redes sociais há pessoas também defendendo o religioso. "Muita gente defende. Quem não tem pecado que atire a primeira pedra".

Outra pessoa que conversou com a reportagem disse que apenas ouviu falar de um possível caso do padre com um homem, e o religioso nega.

Investigação é para esclarecer a verdade, diz a igreja

De acordo com o decreto, o afastamento ocorre "na expectativa de que a verdade venha à tona" e o padre possa ser readmitido. A penalidade é por tempo indeterminado, mas poderá ser retirada "assim que as acusações forem devidamente apuradas".

No site oficial da Paróquia Nossa Senhora do Pilar, o nome do padre continua constando como Vigário Paroquial da cidade. Ele foi ordenado em 1995.

O pároco afastado não foi encontrado pela reportagem, que ligou insistentemente para a paróquia, onde ninguém atendeu, e para a sede da diocese. Nesta última, foi deixado recado sobre a procura pelo religioso para ele dar sua versão dos fatos.

Mais Notícias