Topo

Caos, despreparo e morte: um retrato da epidemia de sarampo no Amazonas

do UOL

Maria Fernanda Ribeiro e Mariana Della Barba*

Colaboração para o UOL, em Manaus e Manacapuru (AM)

31/08/2019 04h00

A notícia é da última quarta-feira: um homem de 42 anos morreu de sarampo em São Paulo. Se fosse publicada três anos atrás, provavelmente seria considerada fake news. Na época, o Brasil era certificado pela ONU (Organização das Nações Unidas) como país livre de sarampo.

Atualmente, um novo surto ativo já somou mais de 2.300 casos confirmados, atingindo principalmente o estado de São Paulo, com 98% do total. Mas os dados da contaminação atual muitas vezes ofuscam uma outra epidemia que atingiu o Norte do país e foi controlada apenas há pouco tempo, nos primeiros meses deste ano.

O surto contaminou mais de 10 mil pessoas. O estado mais atingido foi, de longe, o Amazonas, com mais de 9.800 casos. Moradores da Manaus e da vizinha Manacapuru contam como sofreram com o sarampo, a desinformação, o diagnóstico lento, o caos nos hospitais e a morte.

São relatos que trazem dor e desespero, desinformação e despreparo, noites sem dormir e alívio, mas que também escancaram os problemas que estão por trás de um cenário presente também numa metrópole como São Paulo.

"É sempre importante fazer esse paralelo entre os surtos. E, no caso, é preciso apontar a queda vacinal", afirma o infectologista Carlos Magno Fortaleza, também professor da Unesp (Universidade Estadual Paulista) de Botucatu.

Um levantamento feito no ano passado aponta que a vacinação infantil atingiu os menores índices em 16 anos. Um em cada quatro municípios tem crianças e bebês com cobertura de todas as vacinas abaixo do ideal e sete de oito vacinas infantis com cobertura abaixo da meta.

"Aqui em São Paulo houve um certo desleixo, uma dificuldade, para capturar as pessoas para tomarem a segunda dose da vacina", afirma Magno.

Rosemary Costa Pinto, epidemiologista e diretora da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS), lidou de perto com as consequências da baixa cobertura vacinal de seu estado. "Fomos pegos despreparados", conta, ao se lembrar do pesadelo da falta de leitos, da pressa para evitar que o vírus se alastrasse, da luta por verba extra e do esforço para controlar o surto e evitar mortes.

"Montamos um verdadeiro gabinete de crise, a grande maioria dos nossos funcionários foi mobilizada para o sarampo, reunimos representantes de todos os órgãos envolvidos", diz.

Após um ano inteiro, a epidemia foi controlada, mas ela alerta: "Se baixarmos a guarda, o sarampo volta com tudo".

"Achei que ela não ia sobreviver", diz mãe

Carol da Silva e Silva (à direita na janela), moradora de Manacapuru cuja filha bebê foi infectada e correu risco de morrer - Maria Fernanda Ribeiro/UOL
Carol da Silva e Silva (à direita na janela), moradora de Manacapuru cuja filha bebê foi infectada e correu risco de morrer
Imagem: Maria Fernanda Ribeiro/UOL
O entra e sai animado da casa de Carol da Silva e Silva, cheia de crianças de todas as idades, não dá muitas pistas do clima de desespero que tomou conta da família no ano passado. Ela conta que quase perdeu sua fé por conta do sofrimento da filha Maria Eduarda, então com sete meses, após contrair sarampo.

"O corpo dela estava inteirinho manchadinho, a febre não passava nunca nem a tosse. O nariz não parava de escorrer e ela não comia nada. Se não fosse minha mãe para me acalmar, eu não sei o que teria sido, porque eu me desesperava toda hora, cheguei a achar que ela não ia sobreviver", afirma Carol, com sua menina agora saudável nos braços.

Elas vivem em um bairro de palafitas na periferia de Manacapuru, a segunda cidade mais atingida pelo sarampo em todo o país (depois de Manaus) em 2018, com mais de 400 casos confirmados em uma população de 95 mil habitantes.

O caso de Maria Eduarda exemplifica bem como a maior incidência de sarampo no Amazonas acometeu os menores de um ano, grupo que não possui recomendação de vacinação na rotina, porém, em situações de surto, é prioritário para a contenção da doença.

É nessa faixa etária que o sarampo também apresenta maior potencial letal: das seis mortes registradas no estado, quatro foram de bebês.

Além disso, mostra o desconhecimento dos mais jovens em relação à doença: "Eu nunca tinha ouvido falar em sarampo, porque diziam que era há muito tempo que existia isso", conta Carol, frase repetida por outros entrevistados no Amazonas.

"Não deu tempo de visitá-lo na UTI", conta irmã

Por várias vezes, Maria Terezinha Lima Rosas, 50, ensaiou a falar, mas as palavras não saíam. Ela só conseguia chorar e falar que o quanto doía de saudades do irmão. Faz pouco menos de um ano que Vilson Rocha não resistiu às complicações causadas pelo sarampo e morreu.

Enfim, Terezinha enxugou o rosto e insistiu. "É difícil ainda falar da morte dele. Mas eu quero falar. A gente achava que era só uma gripe. Para mim, sarampo era dessas doenças de criança, que sara em casa mesmo. Não fazia ideia."

Ele tinha 40 anos e sua morte chama a atenção para a desinformação. A doença pode ser perigosa inclusive para adultos, especialmente os que tenham problemas de saúde. Vilson era hipertenso. Teresinha conta que eles perceberam que não era uma simples gripe depois de uma semana, quando ele estava abatido, com muita dificuldade de respirar e tosse constante.

"Na lanchonete me falaram que era sarampo"

Luiz Raphael Bindá, 25, engenheiro e ex-motorista de Uber em Manaus - Maria Fernanda Ribeiro/UOL
Luiz Raphael Bindá, 25, engenheiro e ex-motorista de Uber em Manaus
Imagem: Maria Fernanda Ribeiro/UOL
Foram três visitas a hospitais até que Luiz Raphael Bindá, 25, fosse diagnosticado com sarampo. Ele conta que de início achou que era um resfriado. "Eu estava febril, sem ânimo, com muita coriza, mas não tinha nenhum pintinha vermelha. Então, nem imaginei que podia ser algo grave", diz.

Como a febre não baixava, ele foi a um hospital público em Manaus. Era um sábado. A equipe médica também achou que era um resfriado. Saiu de lá com antigripais e antitérmico. No domingo, os sintomas pioraram e ele voltou pro hospital. O diagnóstico foi igual.

Na segunda-feira, foi buscar algo para comer em uma lanchonete. "A atendente olhou para as minhas mãos e falou que era sarampo. Contou que o pai e o irmão tinham pegado a doença, então por isso ela conhecia bem aquelas pintinhas. Não conseguia acreditar", diz.

Horas depois, o engenheiro relata que as manchas, até então sutis, se espalharam para o corpo todo. Só então o hospital acertou no diagnóstico de sarampo.

Sua história mostra como o sistema de saúde local não estava preparado para o surto, inclusive com médicos que nunca haviam tratado pacientes com a doença.

Infectologista: "Se baixarmos a guarda, o sarampo volta"

Rosemary Costa Pinto, presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas - Maria Fernanda Ribeiro/UOL
Rosemary Costa Pinto, presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas
Imagem: Maria Fernanda Ribeiro/UOL
Na linha de frente do "gabinete de guerra" que controlou o surto no Amazonas, Rosemary fala de um dos principais motivos que fizeram a doença eclodir no estado, com alta infecção entre crianças.

"Vimos de perto o problema causado pela percepção de risco da doença por parte das famílias. Antes se convivia com o adoecimento, o agravamento e até sequelas causadas por sarampo. Hoje, isso não acontece mais. Ou, melhor, não acontecia", conta a médica.

"Essa falta de sensibilidade sobre como a vacina é necessária, aliada à falta de confiança nas orientações médicas, fez com que perdêssemos 20 anos de combate a doenças imunopreviníveis."

A epidemiologista adiciona um outro motivo para a baixa cobertura vacinal. "O horário da maioria das unidades de saúde não acompanha a realidade da mulher de hoje, que trabalha fora. Precisamos de mais postos que fiquem, por exemplo, abertos até tarde, para que essa mãe consiga levar a criança após sair do serviço."

Para controlar o surto, o gabinete de crise mudou a estratégia: organizou vacinações em massa em escolas públicas e foi de casa em casa para fazer a vacinação de bloqueio em locais com casos notificados.

Para a médica, mesmo com o surto controlado, é preciso ampliar a cobertura e informar a população. Segundo ela, se houver um relaxamento nessas políticas públicas, podemos enfrentar novos surtos de sarampo --e também de outras doenças erradicadas no Brasil, mas que circulam na vizinha Venezuela, como o pólio e a difteria. "A vacinação é a única maneira de manter essas duas doenças erradicadas."

* Matéria financiada por meio de uma bolsa de reportagem concedida pelo International Center for Journalists (ICFJ).

Mais Notícias