PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Militares lembraram golpe de 64 até fim da era Lula; Dilma vetou cerimônia

Presidente Lula cumprimenta o comandante do Exército, Enzo Peri, durante solenidade de imposição da Medalha do Pacificador - 25.ago.2010 - Sergio Lima/Folhapress
Presidente Lula cumprimenta o comandante do Exército, Enzo Peri, durante solenidade de imposição da Medalha do Pacificador Imagem: 25.ago.2010 - Sergio Lima/Folhapress
do UOL

Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo

26/03/2019 04h01

Resumo da notícia

  • Bolsonaro determinou que militares voltem a registrar início da ditadura de 64
  • Dia 31 de março foi relembrado até o fim da era Lula nos quartéis do Brasil
  • Em 2011, Dilma Rousseff ordenou que a data deixasse de ser "comemorada"

Unidades militares do Brasil deverão lembrar, por ordem do presidente Jair Bolsonaro, no próximo domingo (31), os 55 anos do golpe que deu início à ditadura militar no país, que durou até 1985. O protocolo deve incluir nos quartéis a referência à data na ordem do dia, quando os militares, enfileirados, escutam de seus comandantes a determinação diária a seguir.

A menção sobre 1964 volta aos quartéis após nove anos. Entre o início da redemocratização no Brasil e o fim do segundo governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2010, os militares nunca deixaram de lembrar a data. Logo no início de seu primeiro mandato, em 2011, Dilma Rousseff (PT) determinou que o dia em questão não fosse mais "comemorado".

Na segunda-feira, o ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, rechaçou o uso da palavra "comemoração" para definir os eventos que serão promovidos pelo governo Bolsonaro no próximo dia 31: "Vamos relembrar e marcar uma data histórica que o Brasil passou, com participação decisiva das Forças Armadas, como sempre foi feito".

Dilma foi presa em 1970 e torturada por agentes da ditadura enquanto pertencia à luta armada formada pela esquerda brasileira. Ela afirma nunca ter participado pessoalmente de ações armadas. Militares mais antigos ou já aposentados, críticos à então presidente, hoje atuam no governo de Jair Bolsonaro.

Em 2012, Dilma chorou ao citar familiares de desaparecidos na ditadura

UOL Notícias

Às vésperas do dia 31 de março de 2011, uma palestra com o tema "a contrarrevolução que salvou o Brasil" do então diretor do Departamento de Ciência e Tecnologia, o general Augusto Heleno, que seria destinada a militares, foi cancelada por determinação do então ministro da Defesa, Nelson Jobim, acatando decisão da então presidente. Heleno, atualmente, é chefe do Gabinete de Segurança Institucional de Bolsonaro.

Em anúncio feito à época, José Genoino (PT), então assessor especial do Ministério da Defesa, informou à imprensa que a determinação do governo federal era para que não houvesse nem comemorações nem retaliações ao dia 31 de março em qualquer unidade militar do país. A determinação teve de ser cumprida pelo então comandante do Exército, general Enzo Peri.

"Determinação de Bolsonaro não é polêmica", diz senador

Apesar da ordem do governo Dilma, o senador Major Olimpio (PSL-SP), policial militar reformado, afirma que a lembrança da data sempre esteve presente em quarteis de forças de segurança pública do país, seja das Forças Armadas ou de polícias estaduais.

"A determinação de Bolsonaro não é polêmica. É uma data que foi do início do governo militar, em 31 de março de 1964, e que sempre nós tivemos uma cerimônia, uma ordem do dia, em todos os quartéis, não só do Exército, mas de todas as forças."

O presidente foi convencido pela cúpula militar sobre a necessidade de que as celebrações sejam feitas de maneira discreta, sem manifestações públicas, como era costume antes do início dos governos petistas.

Há, entre militares, receio de que comemorações efusivas do golpe militar possam tensionar o clima político no país e ofuscar a reforma previdenciária, considerada a prioridade da atual gestão.

Bolsonaro não considera que houve golpe, diz porta-voz

Segundo o porta-voz do governo, o general Otávio Rêgo Barros, Bolsonaro não considera que houve um golpe militar no Brasil.

"O presidente não considera o 31 de março de 1964 golpe militar. Ele considera que a sociedade reunida e percebendo o perigo que o país estava vivenciando naquele momento, juntou-se entre civis e militares e nós conseguimos recuperar e recolocar o nosso país num rumo que salvo melhor juízo, se tudo isso não tivesse ocorrido, hoje nós estaríamos tendo algum tipo de governo aqui que não seria bom para ninguém", afirmou.

No ano passado, no dia 31 de março, Bolsonaro publicou vídeo no Facebook em que aparecia estourando um rojão em frente ao Ministério da Defesa, acompanhado de uma faixa que agradecia aos militares por "não terem permitido" que o Brasil se transformasse em Cuba. "O 7 de Setembro nos deu a independência e o 31 de Março, a liberdade", disse.

'Ustra levou meus filhos para me ver torturada', diz ex-presa política

UOL Notícias

Notícias