PUBLICIDADE
Topo

Notícias

PMs mortos em SP hoje seriam pais em breve; um deles aguardava gêmeos

Soldado Victor e a esposa, que espera o primeiro filho do casal - Divulgação
Soldado Victor e a esposa, que espera o primeiro filho do casal Imagem: Divulgação
do UOL

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o Uol, de Porto Alegre

08/08/2020 20h30

Dois dos três policiais militares da Força Tática do 23º Batalhão de Polícia Militar Metropolitano mortos na madrugada de hoje, às vésperas do Dia dos Pais, por um falso policial civil teriam filhos nos próximos dias. Um deles, o sargento José Valdir de Oliveira Junior, aguardava gêmeos.

"Infelizmente, três crianças não conhecerão seus verdadeiros heróis que perderam justamente à véspera de uma data tão emblemática", lamentou o comandante-geral da PM, coronel Fernando Alencar Medeiros, em nota.

Os PMs faziam patrulhamento de rotina na Avenida Escola Politécnica, em São Paulo, quando abordaram um Fox ocupado por dois homens — um deles se apresentou como policial civil, mas usava uma identificação falsa.

A identificação dele foi recolhida para análise, além de uma arma. Enquanto os policiais checavam os documentos, um deles sacou uma segunda arma e atirou contra os PMs. Os agentes foram levados para o Hospital Universitário, mas não resistiram e vieram a óbito.

O sargento José Valdir de Oliveira Junior, de 37 anos, era casado, possuía uma filha de 16 anos, e a esposa está grávida de gêmeos. Ele fazia parte da corporação há 14 anos.

O soldado Victor Rodrigues Pinto da Silva, de 29 anos, também era casado e deixa a esposa grávida — em estágio avançado de gestação, não especificada pela PM. Ele estava na Polícia Militar há quase sete anos.

Já o soldado Celso Ferreira Menezes Junior, 33 anos, era divorciado, não possuía filhos e estava na PM há mais de 10 anos.

O atirador também foi baleado e acabou morrendo. Outro homem foi detido, sem ferimentos. O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A PM também instaurou inquérito policial militar.

"O Sargento Oliveira Junior estava muito ansioso, pois sua esposa está gravida de gêmeos, o Soldado Victor contava os dias para ver o rostinho do filho, que está por vir, já Soldado Menezes daria um abraço no pai. Será um final de semana triste e cinzento para nossa Instituição, é imensurável a dor que a família e amigos estão sentindo nesse momento", disse, em nota, a Polícia Militar de São Paulo.

Futuro pai, cabo morre em acidente

Pelas redes sociais, a corporação também lamentou a morte do cabo Almeida, que sofreu hoje um acidente ao voltar para casa na Rodovia dos Bandeirantes. Após uma colisão, os veículos envolvidos se evadiram sem prestar socorro.

Almeida deixa a esposa, grávida de 8 meses.

"Essas mortes provocam uma tristeza sem tamanho no coração de cada policial militar. Uma tragédia sem precedentes. Nossos heróis jamais serão esquecidos", escreveu o coronel Medeiros.

Notícias