PUBLICIDADE
Topo

Manifestantes simulam Ratinho dando palmadas em Ratinho Jr. para protestar

Manifestantes simulam Ratinho dando palmadas no bumbum de Ratinho Jr. em protesto contra lockdown - Reprodução/Twitter
Manifestantes simulam Ratinho dando palmadas no bumbum de Ratinho Jr. em protesto contra lockdown Imagem: Reprodução/Twitter
do UOL

Do UOL, em São Paulo

11/07/2020 19h44

Um grupo de manifestantes aparece em vídeo usando máscara com a imagem do apresentador Carlos Massa, o Ratinho, para protestar contra o lockdown —termo utilizado para o isolamento mais rígido— no estado do Paraná.

Nas imagens, que circulam pelas redes sociais, os manifestantes simulam o apresentador dando palmadas no bumbum do filho, o governador do estado, Ratinho Jr. Aos fundos, cartazes com a frase: "Trabalho, sim. Lockdown, não".

O protesto foi realizado em frente à sede da Rede Massa, afiliada do SBT no estado, e que pertence ao apresentador. (Assista abaixo)

Segundo informações do Paraná Portal, parceiro do UOL, o TJPR (Tribunal de Justiça do Paraná) negou o pedido de imposição de lockdown no Paraná, feito pelo MPPR (Ministério Público do Paraná), na última quarta-feira (8). A medida teria como objetivo frear a contaminação pela covid-19 no estado.

Na decisão, o desembargador Luiz Taro Oyama destacou que a decisão de isolamento mais rígido ou quarentena no Paraná deve ser realizada de acordo com cada município.

"A melhor acerca de cada medida restritiva/liberatória deve ser feita pela municipalidade (e regiões metropolitanas, em conjunto, principalmente) em consonâncias com as diretrizes governamentais estadual e federal", argumentou na decisão.

Em maio, Ratinho Jr. anunciou medidas de combate à pandemia do novo coronavírus, mas não descartou a possibilidade de se realizar o lockdown no estado.

"Não determinei o fechamento de tudo. Fizemos um decreto para restringir alguns setores que tinham aglomeração, como shoppings, igrejas, escolas, universidades estaduais, enfim, onde tinha fluxo de pessoas e onde aumenta o número de pessoas no transporte público. Adotamos protocolos e, com eles, mais os 5.600 testes por dia que vamos fazer, vai dar para ter mais tranquilidade nas nossas decisões de de liberar ou não algumas atividades. Mas pode ser que, em algum momento, a gente tenha que fazer o lockdown. Por que o que baliza nossas decisões são os números de testes e de UTIs. Não posso liberar tudo porque, de repente, daqui a pouco não consigo suportar a demanda no dia a dia", afirmou ele, na ocasião.

Segundo números divulgados pela secretaria estadual de Saúde, o Paraná registra, até agora, 39.064 casos e 961 mortos em decorrência da doença.

Notícias