PUBLICIDADE
Topo

Notícias

Dinossauro surge das chamas de museu

Roberta Jansen

Rio

11/07/2020 07h36

A família dos grandes dinossauros carnívoros Tiranossauro Rex e Velociraptor acaba de ganhar mais um integrante. E ele é brasileiro. A nova espécie viveu na Bacia do Araripe durante o período jurássico, tinha pelo menos 3 metros de altura e o corpo coberto de penas. Nada mal para estrelar o próximo Jurrasic Park ao lado dos primos mais famosos.

O novo dino é o Aratasaurus museunacionali - uma combinação de "ara" e "ata", que na língua tupi significam "nascido" e "fogo"; com "sauros", o sufixo grego para designar os lagartos. Assim, o dinossauro que nasceu do fogo do Museu Nacional foi batizado, em uma referência ao incêndio que destruiu a instituição há dois anos. O fóssil do animal, que não estava no palácio, mas em um prédio anexo, acabou escapando ileso das chamas que consumiram grande parte do acervo. "Fiquei bem emocionado com essa sugestão de fazer uma homenagem ao Museu Nacional", contou o diretor da instituição, o paleontólogo Alexander Kellner, que participou da descrição da nova espécie. "Acho que é um reconhecimento do trabalho que fazemos, mostrando que o museu continua vivo e vibrante."

O local onde o aratassauro foi encontrado é muito rico em fósseis e se estende pelos Estados de Ceará, Pernambuco e Piauí. O fóssil foi coletado em 2008, em uma mina de gesso, chamada Mina Pedra Branca, entre as cidades Nova Olinda e Santana do Cariri, no Ceará. A estimativa é de que ele tenha vivido entre 115 milhões e 110 milhões de anos atrás. Foram encontrados fragmentos de ossos e garras do membro inferior esquerdo.

O exemplar achado tinha pouco mais de 3 metros de comprimento e uma massa entre 34 e 35 quilos. Ou seja, não chegava a ser tão grande quanto o Tiranossauro Rex, mas era maior que o Velociraptor. A análise microscópica de seus ossos, no entanto, revelou que esse exemplar ainda era um jovem e, portanto, poderia alcançar dimensões ainda maiores. Os pesquisadores dizem acreditar que ele seria um predador ágil, que corria pelas margens de lagos à procura de alimento, possivelmente pequenos animais.

Raridade

A nova espécie pertence ao grupo Coelurosauria, que surgiu ha 168 milhões de anos, no Jurássico Médio. Os indivíduos mais antigos desse grupo são muito raros e restritos, até agora, à América do Norte e à China. O Aratasauro é o mais primitivo ceurossauro achado na América do Sul. A descoberta sugere que essas primeiras formas teriam uma distribuição bem mais ampla do que se supunha até agora.

"Toda descoberta de um fóssil é importante porque obtemos registros que ajudam a reconstruir a história do planeta e refazer o caminho da evolução dos organismos que viveram aqui milhões de anos atrás", disse a paleontóloga Juliana Sayão, da Universidade Federal de Pernambuco, a primeira a analisar a descoberta. "Muitas vezes o fóssil é único e guarda todas as informações sobre aquela espécie ou grupo de animais."

Curiosamente, o novo dinossauro não é aparentado com outras espécies encontradas na Bacia do Araripe, como o santanaraptor. A espécie mais parecida é a de um outro celurossauro, o Zuolong sallei, encontrado na província de Xinjiang, na China. "O Zuolong foi encontrado em rochas formadas há aproximadamente 160 milhões de anos, ou seja, pelo menos 45 milhões de anos antes das rochas em que estava o nosso Aratasaurus", explicou Alexander Kellner. "Esse aspecto sugere fortemente que existem muitas outras espécies de celurossauros basais a serem descobertas. Agora é importante realizar novas escavações na região para encontrar mais exemplares."

A descrição do novo dinossauro foi publicada na revista Scientific Reports, do grupo da Nature, e é assinada por especialistas da Universidade Federal de Pernambuco, da Universidade Regional do Cariri e do Museu Nacional da UFRJ. O fóssil encontrado ficará em exposição no Museu de Paleontologia Plácido Cidade Nuvens, em Santana do Cariri, no interior do Ceará.

Notícias