PUBLICIDADE
Topo

Democratas adiam convenção para eleger candidato à Casa Branca

02/04/2020 22h28

Washington, 3 Abr 2020 (AFP) - A convenção democrata nos Estados Unidos, que deve escolher o candidato que disputará a eleição com o presidente Donald Trump em novembro, foi adiada por um mês, para a semana de 17 de agosto, devido à pandemia do COVID-19, anunciou o partido nesta quinta-feira.

O evento, que deve reunir milhares de participantes, é realizado na cidade de Milwaukee, Wisconsin, onde foi originalmente agendado para os dias 13 e 16 de julho.

"No atual clima de incerteza, acreditamos que a decisão mais inteligente é levar mais tempo para monitorar como essa situação se desenrola, para que possamos posicionar melhor nosso partido em uma convenção segura e bem-sucedida", disse o chefe do Comitê da Convenção Nacional, o democrata Joe Solmonese, anunciando a decisão em um comunicado.

A decisão foi tomada "à luz da crise de saúde sem precedentes" que o país enfrenta, disseram os organizadores, planejando "ajustar o modo de convenção, o número de participantes e sua agenda" para limitar os riscos de contágio, de acordo com a declaração.

Os Estados Unidos, que já têm mais de 5.300 mortes pelo surto do novo coronavírus, são o país do mundo com os casos mais confirmados (mais de 226.000) da pandemia.

Cerca de nove em cada dez americanos receberam ordens para ficar em casa para conter a propagação do vírus, e cerca de 10 milhões de pessoas no país solicitaram seguro-desemprego nas últimas duas semanas devido à interrupção generalizada das atividades.

O ex-vice-presidente dos EUA Joe Biden, um favorito moderado de 77 anos na disputa pela nomeação do partido, havia pedido que a convenção fosse adiada devido à pandemia.

- Conversa com Trump - Biden, que compete contra o senador independente Bernie Sanders, 78, mas tem uma liderança quase intransponível, disse nesta quinta-feira que em breve conversará por telefone com Trump sobre a crise do coronavírus e como conter a pandemia mortal.

O governo sugeriu quarta-feira que Biden, ex-vice-presidente e provável rival de Trump nas eleições de novembro, telefone o presidente para oferecer sua ajuda.

"Fico feliz em saber que ele atenderá minha ligação", disse Biden em entrevista coletiva online. "Minha equipe está trabalhando com a equipe dele para definir essa ligação".

O coronavírus levou o sistema de saúde dos EUA à beira do colapso. Mais de 5.600 pessoas já morreram por causa do Covid-19 no país.

De um milhão de casos confirmados e registrados em todo o mundo até quinta-feira, 236.000 estão nos Estados Unidos.

Vários democratas acusaram Trump de subestimar a gravidade do surto no início, e Biden se juntou às crítica. Entretanto, Biden, que como a maioria dos americanos continua confinado sua casa, enfatizou que vem oferecendo conselhos e propondo políticas há semanas sobre o "que eu pensei que deveria ser feito".

"O presidente é bem-vindo a adotar todas as coisas que eu sugeri, (que) ele pensou que valia a pena", disse Biden, acrescentando que não está oferecendo ajuda para menosprezar Trump.

"Eu não vou ficar dizendo que ele aceitou minha ideia", acrescentou Biden. "É uma questão de o presidente fazer o que realmente podem tornar as coisas melhores agora".

Desde 13 de março, 15 estados e um território remarcaram seus votações devido à crise da saúde. Wisconsin, entretanto, ainda tem primárias previstas para a semana de partir de 7 de abril.

Sanders pediu o adiamento dessas eleições na quarta-feira.

Notícias