Topo

Guaidó garante que não sentará mais para negociar com Maduro

17/11/2019 18h18

Caracas, 17 nov (EFE).- O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, que se autoproclamou chefe de governo e foi reconhecido por quase 60 países, descartou neste domingo voltar a negociar com Nicolás Maduro, mandatário eleito, diante do impasse na tentativa de alcançar uma saída política para a crise.

"Há três meses que (o processo) está morto, que eles mataram e saíram correndo", disse o líder da oposição, durante uma entrevista coletiva concedida em Caracas, se referindo às negociações de Oslo, que o governo da Noruega propôs.

"Mataram esse mecanismo, então a opção da Venezuela é protestar, exercer a cidadania", disse o chefe do Legislativo.

Guaidó reagiu desta forma, depois que Maduro concedeu uma entrevista e afirmou que a mesa de negociações de Oslo pode ser relançada porque "as ligações" entre seu governo e a oposição "se mantêm vivas".

Para o presidente autoproclamado, as declarações de hoje do chavista buscam confundir os opositores, que ontem estavam nas ruas e se declararam em protestos permanentes para forçar a queda do governo eleito.

"Si quer falar para confundir, bem, que confunda os seus. A solução é que ele vá embora definitivamente, que tenhamos eleições presidenciais, realmente, livre", garantiu Guaidó.

A Venezuela atravessa crise política desde janeiro, quando Maduro jurou um novo mandato de seis anos. A oposição, contudo, não aceita a derrota nas eleições, alegando fraude, e quase 60 países reconheceram a proclamação de um governo paralelo. EFE

Notícias