Topo

Guaidó exalta exemplo da Bolívia e pede protestos até a queda de Maduro

16/11/2019 22h39

Caracas, 16 nov (EFE).- O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, que é reconhecido por 60 países como chefe do governo local, pediu neste sábado que os militantes da oposição se mantenham protestando até a renúncia de Nicolás Maduro, como aconteceu na Bolívia.

"Temos uma agenda de conflitos de rua permanente e sustentada", disse o líder político, diante que milhares de seguidores que participaram de manifestação em Caracas.

"A luta é, até que cesse a usurpação, até que se realize a transição, até que haja eleições livres", completou Guaidó.

O presidente autoproclamado garantiu que, na próxima semana, várias organizações de funcionários públicos irão realizar atos, como professores e enfermeiros, e também revelou que acompanhará um ato de estudantes em frente ao maior quartel militar da capital.

"Temos que insistir, até que o poder das armas não esteja do lado desse usurpador, mas sim do lado da Constituição. É o que nos falta, é quem falta tomar uma decisão", garantiu Guaidó, em referência aos militares venezuelanos.

A manifestação de hoje foi encerrada diante da Embaixada da Bolívia em Caracas, onde opositores de Maduro demonstraram apoio a presidente interina, Jeanine Áñez, senadora que se proclamou no cargo após a renúncia de Evo Morales.

"Estamos aqui não por um simbolismo, mas sim por um fato político, social, democrático, porque nossa irmã Bolívia, a filha predileta do Libertador, alcançou a liberdade", afirmou Guaidó, em referência a Símon Bolívar.

Como resposta aos protestos da oposição, milhares de chavistas também foram às ruas e, inclusive, condenaram o que classificaram como "golpe de Estado" contra Evo Morales. EFE

Notícias