Topo

"Príncipe": Bebianno mostrou "suruba gay" para eu não ser vice de Bolsonaro

O príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança - Ana Carolina Camargo/BBC News Brasil
O príncipe Luiz Philippe de Orleans e Bragança Imagem: Ana Carolina Camargo/BBC News Brasil
do UOL

Do UOL, em São Paulo

13/11/2019 16h26Atualizada em 13/11/2019 23h19

O deputado Luiz Philippe de Orleans e Bragança, conhecido como "príncipe" por ser membro da família imperial do Brasil, afirmou em entrevista à Revista Época que o então candidato a presidente Jair Bolsonaro desistiu de convidá-lo para ser vice-presidente em sua chapa depois que seu então braço direito, o advogado Gustavo Bebbiano, informar que teria fotos de Bragança em uma "suruba gay" e agredindo um morador de rua.

O deputado declarou que as fotos e as informações eram falsas.

"Bebianno armou e não queria que eu fosse o vice. Ele disse ao presidente que haveria um dossiê que tinha fotos minhas, segundo um amigo me contou na ocasião. O dossiê foi usado porque era domingo de manhã e era o último dia para protocolar quem seria o vice. Ele não queria colocar um militar, inicialmente", disse.

"Sei que esse tipo de armação ocorre a todo momento. Sei que circulam informações falsas. O dossiê era de fotos que eu fazia uma suruba gay e que eu batia em mendigo", contou o deputado, que declarou ainda que Bolsonaro pediu desculpas a ele ontem à noite.

O deputado Alexandre Frota confirmou hoje para a Folha de S.Paulo o incidente contado por Bragança, e disse que Bolsonaro chegou a questioná-lo se o príncipe "era gay ou não".

Segundo Frota, o então candidato a presidente pediu o número do presidente do PRTB, Levy Fidelix, para convidar Mourão para ser vice de sua chapa.

Ontem, a jornalista Mônica Bergamo informou em sua coluna na Folha de S.Paulo que Bolsonaro lamentou que tenha escolhido Hamilton Mourão e não Bragança como seu vice. "Príncipe, estou te devendo eternamente", disse Bolsonaro. "Você deveria ter sido meu vice, e não esse Mourão aí. Eu casei, casei errado. E agora não tem mais como voltar atrás."

Notícias