Topo

"Me apavorei", conta homem ao ver irmã morta fora do túmulo e seminua no RS

Carro da Polícia Civil no Cemitério Rincão da Madalena, em Gravataí (RS), onde um túmulo foi violado - Gabriel Siota/Giro de Gravataí/Divulgação
Carro da Polícia Civil no Cemitério Rincão da Madalena, em Gravataí (RS), onde um túmulo foi violado Imagem: Gabriel Siota/Giro de Gravataí/Divulgação
do UOL

Hygino Vasconcellos

Colaboração para o UOL, de Porto Alegre

12/11/2019 19h32

Resumo da notícia

  • Corpo de mulher de 49 anos foi enterrado no domingo em um cemitério em Gravataí (RS)
  • Na segunda-feira, a família foi informada que o túmulo havia sido violado
  • Corpo foi encontrado fora da cova, em matagal, sem parte da roupa com a qual estava vestido
  • Familiares encontraram o corpo e ficaram chocados com a imagem
  • Polícia investiga se o corpo foi abusado sexualmente e se houve crime de necrofilia

A violação do túmulo e, possivelmente, do corpo de uma mulher de 49 anos surpreendeu a família dela em Gravataí, região metropolitana de Porto Alegre. Ela foi encontrada a 30 metros do local onde foi enterrada, no Cemitério Municipal Rincão da Madalena, sem a saia com a qual estava vestida, e a polícia suspeita do crime de necrofilia.

Menos de 24 horas após o funeral da mulher, cuja identidade não foi divulgada pela polícia a pedido da família, um irmão dela, que pediu ao UOL para não ser identificado, recebeu uma ligação de um homem desconhecido ontem de manhã informando sobre a violação do túmulo. Imediatamente, ele e outros dois irmãos se dirigiram para o cemitério. Lá, encontraram o corpo seminu, fora da cova e com sinais de abuso sexual.

"Quando cheguei, lá o caixão estava aberto e sem ninguém dentro, com uma parte quebrada. Parecia que ela mesma tinha aberto. A gente viu umas pegadas e até achamos que ela tinha voltado à vida. Mas do lado das pegadas dava para ver que o corpo tinha sido arrastado", afirmou o irmão.

Os outros dois irmãos seguiram as pegadas em direção a um matagal. No caminho em direção às árvores, foi encontrada a roupa da mulher. Alguns metros à frente, o corpo foi achado parcialmente despido e com as mãos cruzadas sobre o peito. As árvores do local tinham cruzes pintadas nos troncos.

"Me apavorei. Eu nem olhei direito para não ficar com aquela imagem na cabeça", disse o parente à reportagem. "A primeira impressão que tive era que cortaram toda ela, só por maldade. Mas o corpo dela estava intacto. Mas quem vê aquela cena não acredita que um ser humano fez aquilo."

Segundo o delegado Marcio Zachello, que investiga o caso, há indícios de abuso sexual no cadáver. "Devido às circunstâncias em que esse cadáver foi encontrado, sem partes das roupas, já se suspeitou de um possível ato com conotação sexual."

O delegado afirmou que o corpo foi encaminhado para perícia para verificar se, de fato, houve abuso sexual. Ainda não há prazo para os laudos serem entregues. Enquanto isso, a polícia está ouvindo os familiares, funcionários do cemitério e outras pessoas.

Por enquanto ninguém foi preso. A prefeitura, que administra o cemitério, informou que notificou a empresa terceirizada responsável pela vigilância e pediu ainda que reforce os cuidados no local.

A mulher morreu no último sábado (9), no Hospital Dom João Becker, por insuficiência respiratória, seguida de parada cardiorrespiratória. Segundo a família, ela tinha síndrome de Raynaud e apenas um dos pulmões funcionava, com 40% da capacidade. Ela não era casada e tinha uma filha. Hoje, o corpo foi novamente enterrado.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do que foi informado no resumo da notícia, a mulher que morreu tinha 49 anos, e não 39 como estava escrito. O erro foi corrigido.

Notícias