Topo

Lula é recebido com festa e tapete vermelho em São Bernardo

do UOL

Ana Carla Bermúdez, Bernardo Barbosa e Luís Adorno

Do UOL, em São Paulo e em São Bernardo

09/11/2019 12h48Atualizada em 09/11/2019 14h30

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) chegou por volta das 13h no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP), onde deve fazer um discurso na tarde de hoje. Ele foi recebido por apoiadores com um tapete vermelho que, entre outros dizeres, tinha as palavras "Lula livre".

Lula chegou no sindicato protegido por seguranças, atrás de um biombo de metal e de um pano verde. No entanto, já dentro do estacionamento do sindicato, militantes baixaram o pano e o ex-presidente os abraçou rapidamente. A chegada ocorreu sob gritos de "Lula Livre" e o estouro de muitos rojões.

O petista deixou a sede da PF (Polícia Federal), em Curitiba, no fim da tarde de ontem graças a uma decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) que proibiu a prisão após condenação em segunda instância. O ex-presidente passou a noite na capital paranaense e chegou hoje pela manhã em São Paulo.

Apoiadores estendem tapete vermelho para a chegada de Lula em São Bernardo do Campo - Bernardo Barbosa/UOL
Apoiadores estendem tapete vermelho para a chegada de Lula em São Bernardo do Campo
Imagem: Bernardo Barbosa/UOL

No sindicato, Lula foi recebido com festa por apoiadores. Um boneco inflável do petista, com faixa presidencial e altura aproximada de um prédio de três andares, foi exposto em frente ao local.

Bonecos infláveis ficaram famosos nas manifestação pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. Em um deles, o "pixuleco", Lula aparecia vestido como presidiário. O deste sábado mostrava o oposto, com a faixa presidencial.

O boneco estava inteiro desde o início da manhã de hoje. Por volta das 13h15, no entanto, enquanto a militância aguardava a chegada de Lula a um carro de som onde ele deve se pronunciar, o boneco foi furado e murchou.

Militantes levam boneco gigante do ex-presidente Lula à sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP) - Eduardo Knapp/Folhapress
Militantes levam boneco gigante do ex-presidente Lula à sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo (SP)
Imagem: Eduardo Knapp/Folhapress

Às 10h, Lula não havia nem saído de Curitiba e a movimentação no entorno do sindicato já começava a crescer. A música se alternava entre MPB, samba e jingles de Lula. Havia também vendas de comida, bebida e camisetas do PT, do MST (Movimento Sem-Terra) e em homenagem à vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada em março do ano passado no Rio de Janeiro.

A diarista Cícera Maria da Conceição veio comemorar seu aniversário de 54 anos no sindicato. "Estou mais feliz pela liberdade dele do que pelo meu aniversário. Homem maravilhoso, pai dos pobres. Depois de Getúlio Vargas, só ele", afirmou. Ela diz ser filiada ao PT desde que tinha 18 anos e morava em Maceió (AL).

Em primeiro discurso, Lula agradeceu militantes

Lula estava preso na sede da PF, em Curitiba, por sua condenação no caso do tríplex do Guarujá (SP), da Operação Lava Jato. Neste processo, o ex-presidente foi condenado por três instâncias, cabendo ainda recurso ao STF.

Ontem, logo após deixar o prédio da PF, o ex-presidente fez um discurso aos apoiadores que aguardavam por ele na vigília "Lula Livre".

Em seu discurso, Lula agradeceu a militância que permaneceu em Curitiba durante os 580 dias em que ele esteve preso, criticou o MPF (Ministério Público Federal) e a PF e também apresentou a socióloga Rosângela Silva como sua noiva. O petista também fez críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Notícias