Topo

"Não precisamos de oração, precisamos de ação", diz jovem brasileira na ONU

Paloma Costa ao lado de Greta Thunberg durante Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York -  Johannes EISELE / AFP
Paloma Costa ao lado de Greta Thunberg durante Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York Imagem: Johannes EISELE / AFP
do UOL

Tatiana Pronim

Colaobração para o UOL

23/09/2019 16h47

O grande destaque da Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, tem sido a jovem ambientalista Greta Thunberg, de 16 anos, mas foi uma brasileira a primeira a falar na abertura do evento de hoje.

Paloma Costa, 27 anos, é aluna da Universidade de Brasília e foi convidada pelo secretário-geral da ONU Antonio Guterrez a participar da bancada de jovens.

"A resposta que temos visto [para as queimadas na Amazônia] não é suficiente", discursou Paloma, que veio a Nova York por sua ligação com três diferentes organizações: a ONG Engajamundo, o projeto Ciclimáticos e o Instituto Socioambiental.

Ela disse que o país falhou em ouvir as populações indígenas e também os jovens, que têm mudado seus hábitos a favor do meio ambiente. "Mas vocês não estão nos seguindo", acrescentou. "Não precisamos de oração, precisamos de ação", enfatizou a brasileira, no que foi aplaudida pela plateia formada por chefes de Estado, representantes de empresas e da sociedade civil.

Logo depois de Paloma, foi a vez de Greta cobrar ações dos líderes: "Minha mensagem é: Nós estaremos de olho em vocês". A jovem fez um apelo para que os cientistas sejam ouvidos, e comentou que não deveria estar lá, e sim na escola, do outro lado do oceano.

"Vocês roubaram meus sonhos, e minha infância com suas palavras vazias e eu ainda sou uma das privilegiadas. Pessoas estão sofrendo, pessoas estão morrendo, ecossistemas inteiros estão em colapso, estamos no começo de uma extinção em massa e tudo o que vocês têm a falar é sobre dinheiro, e contos de fada sobre crescimento econômico eterno? Como vocês ousam?", emocionou-se.

O ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles esteve na abertura do evento, mas o Brasil não foi convidado a discursar.

Segundo Guterrez, foram incluídas apresentações apenas aos países que apresentaram propostas concretas recentemente. Logo depois, o ministro voltou a cumprir sua agenda de entrevistas com meios de comunicação internacionais, algo que tem feito desde que chegou a Nova York, na última quinta-feira.

Notícias