Topo

Como fome e obesidade coexistem nos EUA: Bloomberg Opinion

Jessica Fanzo

17/07/2019 13h15

(Bloomberg) -- Os EUA são notórios por seu problema de peso. Com apenas 5% da população mundial, é o lar de 13% das pessoas com sobrepeso e obesidade do mundo. Aproximadamente dois terços dos adultos nos EUA estão com sobrepeso ou obesos e, ainda mais alarmante, essa realidade atinge 38% dos meninos e meninas entre 10 e 14 anos.

À primeira vista, esses números parecem refletir superabundância - os americanos têm mais comida do que seria bom para eles. Mas o problema é mais complicado do que isso, e pior: muitas das mesmas pessoas que lutam com peso extra também vão regularmente para a cama com fome. Isso pode soar como uma contradição impossível mas, rapidamente fica claro como a fome e a obesidade estão relacionadas. Ambos estão frequentemente enraizados na pobreza.

Quase 12% das famílias americanas estão, segundo os padrões do Departamento de Agricultura, em "insegurança alimentar" - o que significa que têm dificuldade em comprar alimentos seguros e nutritivos suficientes para atender às necessidades domésticas. Isso equivale a cerca de 40 milhões de pessoas, incluindo cerca de 540.000 crianças que experimentam segurança alimentar muito baixa. A insegurança alimentar tende a ser mais alta entre as famílias hispânicas e negras não-hispânicas e, é claro, entre desempregados e famílias pobres.

Os adultos com insegurança alimentar nos EUA são 32% mais propensos do que os outros a serem obesos - especialmente se forem mulheres, descobriu um estudo. Outro revelou que as crianças que vivem em lares com insegurança alimentar têm uma tendência maior do que a média para estar acima do peso ou obesas, e têm maus hábitos alimentares. Outros estudos sugerem que crianças com insegurança alimentar também tendem a apresentar problemas comportamentais significativos, interações sociais interrompidas, desenvolvimento cognitivo deficiente e desempenho escolar marginal. Esses desafios, por sua vez, aumentam o risco de se tornarem adultos obesos.

A pobreza e o desemprego têm impulsionado o aumento da insegurança alimentar e da obesidade desde a década de 1960, especialmente na parte rural dos EUA. Mas, muitos moradores da cidade que subsistem com serviços sociais e estruturas de apoio inadequados também estão suscetíveis.

As famílias com insegurança alimentar e baixa renda enfrentam desafios únicos que prejudicam sua capacidade de consumir uma dieta saudável e manter um peso corporal ideal. Seus estilos de vida tendem a ser sedentários por causa dos ambientes em que vivem, e sua comida tende a ser servida em grandes porções. O alimento relativamente barato, denso em calorias, à sua disposição imediata, muitas vezes não possui os nutrientes necessários para uma saúde ideal. Como resultado, embora eles possam seguir uma dieta nutritiva por períodos curtos, são pontuados por ciclos de estresse financeiro e pessoal que levam à privação de alimentos, alimentação excessiva, acesso limitado a cuidados de saúde, oportunidades reduzidas de atividade física e maior exposição a ambientes com alimentos não saudáveis.

Como esses ciclos podem ser minimizados? Será preciso um esforço conjunto de muitos atores. O Congresso dos EUA, por exemplo, deve aumentar o financiamento do Programa de Assistência Suplementar à Nutrição - vale-refeição - do qual dependem 50 milhões de famílias americanas. E deve deslocar os subsídios agrícolas para longe de seu foco pesado em milho, soja e outras culturas das maiores empresas do agronegócio, para frutas, vegetais, nozes e legumes.

Os bancos de alimentos locais, um recurso importante para famílias com insegurança alimentar, merecem o apoio de cidadãos e comunidades, e devem ser incentivados a fornecer mais alimentos frescos e menos alimentos processados ??ricos em sal, açúcar e gorduras insalubres.

Os empregadores também podem ajudar, oferecendo programas de bem-estar mental e físico, bem como descontos e subsídios para programas de atividade física. Esses investimentos valem a pena, porque os funcionários que se exercitam tendem a ter melhor concentração e produção de trabalho.

Finalmente, os hospitais e clínicas de saúde podem ajudar os domicílios a fornecer refeições saudáveis ??criando os chamados programas de prescrição de alimentos: os hospitais fornecem uma quantia fixa de dinheiro para cada domicílio ou uma receita que pode ser trocada por alimentos ricos em nutrientes, incluindo frutas e vegetais, com participação de mercados próximos ou mercearias.

A meta para os governos, prestadores de serviços de saúde e grupos comunitários não deve se limitar à construção de mais mercados nos bairros que hoje carecem de mantimentos saudáveis. Também é essencial encorajar mais hortas comunitárias e mercados de agricultores, subsidiar alimentos saudáveis, promover escolhas alimentares nutritivas e proibir anúncios de alimentos não saudáveis ??para crianças. Lutar contra a obesidade e a fome é uma questão de lutar pela segurança alimentar básica - mesmo nos EUA.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e seus proprietários.

Mais Notícias