Topo

Resultados finais confirmam contundente vitória de Modi na Índia

2019-05-23T22:34:00

23/05/2019 22h34

Nova Délhi, 24 mai (EFE).- Os resultados finais das eleições indianas confirmaram nesta sexta-feira (data local) a contundente vitória do partido nacionalista hindu BJP, do primeiro-ministro Narendra Modi, que conseguiu a maioria absoluta com pelo menos 288 de 542 cadeiras.

Transcorridas 22 horas de apuração, nas quais o BJP liderou de maneira quase ininterrupta em 300 circunscrições, o BJP já garantiu pelo menos 288 cadeiras, muito acima da maioria absoluta de 272, e lidera a disputa em outras 15.

Por sua parte, o Partido do Congresso, o principal da oposição e liderado pela dinastia Nehru-Gandhi, obteve pelo menos 50 cadeiras e lidera a apuração em outras duas circunscrições, uma leve melhora a respeito das 44 cadeiras de 2014, seu pior resultado histórico.

Esta vitória permitirá ao BJP governar sozinho novamente, sem a necessidade de ter de fazer uso de seus frequentes aliados, e supera inclusive seu claro triunfo nos pleitos anteriores, quando obteve 282 cadeiras.

Faltando os dados finais, Modi tinha comemorado sua vitória já na última hora da tarde de quinta-feira diante de centenas de apoiadores na sede central do BJP em Nova Délhi, horas depois que seus oponentes reconheceram o incontestável triunfo do primeiro-ministro.

"Nenhum indivíduo ou partido estava lutando nas eleições, mas é o povo da Índia que estava lutando. Hoje o povo da Índia me deu razão e hoje, se alguém ganhou, é a Índia. Se alguém ganhou, é a democracia", declarou o dirigente em seu primeiro discurso público do dia.

Várias pesquisas de boca de urna divulgadas no domingo passado já davam ao BJP e seus aliados mais de 280 cadeiras, mais da metade das 542 cadeiras da Lok Sabha, a Câmara dos Deputados indiana, e suficientes para formar governo em maioria.

Com uma participação que superou 60% na média, a estimativa é que cerca de 600 milhões indianos depositaram seus votos nas urnas para escolher os legisladores do parlamento. EFE

Mais Notícias