Topo

Musk não consegue mais esconder problema de caixa da Tesla: "cortem tudo"

Elon Musk soltou email para funcionário avisando que vai revisar todos os gastos
do UOL

DO UOL, em São Paulo

2019-05-19T13:39:17

19/05/2019 13h39

Elon Musk disse que não ia mais pedir dinheiro de Wall Street. Apesar do que os analistas da Tesla diziam, ele insistiu no último ano que a produção do Tesla 3 estava finalmente no caminho certo, que o fluxo de caixa positivo estava bem perto e que os inimigos pagariam caro por sugerir que ele enfrentava dificuldades para pagar suas contas. Até postou um tuíte que ficou famoso por anunciar que a Tesla fecharia o capital.

Então, o que Musk disse depois que a fabricante de carros elétricos divulgou mais um trimestre de lucros decepcionantes? Talvez ele precisasse pedir mais dinheiro a Wall Street.

Na semana passada, levantou US$ 2,7 bilhões em capital (cerca de R$ 11 bi).

Para completar, a Reuters teve acesso na quinta-feira (16) a um email do presidente da companhia no qual ele diz aos funcionários que fará um corte "hardcore" nos gastos, porque a oferta só segura as pontas por 10 meses.

Por isso, o executivo e o diretor financeiro vão analisar pessoalmente onde dá para cortar.

"É por isso que, daqui para frente, todas as despesas de qualquer tipo em qualquer lugar, incluindo peças, salário, despesas de viagem, aluguel, literalmente, todos os pagamentos que deixam nossa conta bancária devem ser revisados", disse Musk, segundo a Reuters.

É uma reviravolta impressionante para quem nunca foi de ceder à pressão de seus críticos.

Em resposta a uma pergunta sobre a necessidade de garantir mais recursos, Musk reconheceu que "existe mérito na ideia de levantar capital neste momento" e destacou que o capital extra faz sentido diante de seu novo plano ambicioso para desenvolver uma frota de robôs-táxis autônomo.

Para não mencionar empreitadas nos segmentos de seguro, fabricantes de chips e até mesmo sopradores de folhas "sensíveis" e outros caros desafios, como o lançamento da produção na China, a revisão de suas operações de varejo e serviços nos EUA e o desenvolvimento de novos modelos, incluindo o modelo de alto volume SUV e um caminhão semi-comercial.

Mas, é uma admissão tácita de que, apesar de toda a conversa e confiança que Musk exala sobre o futuro da Tesla, ele ainda não descobriu como obter lucro.

Houve uma queda recorde das encomendas de carros que, combinada com o maior pagamento de dívida da empresa, esgotou sua reserva de caixa para o menor nível em três anos: US$ 2,2 bilhões. Ao mesmo tempo em que a empresa consumiu US$ 1,5 bilhão no primeiro trimestre.

Quem vai dar dinheiro?

Parte dos analistas e investidores recebeu com alívio o aumento de capital, que dará algum fôlego à companhia. Sem o novo caixa, dizem, a Tesla não seria capaz de realizar seus planos. Mas, outros reforçam que tudo isso mostra que o entusiasmo está minguando.

"Musk e Tesla se olharam no espelho e perceberam que precisavam mudar um pouco a sintonia sobre o aumento de capital, porque a matemática não mente", diz Dan Ives, analista da Wedbush Securities. "Com base na trajetória de lucro e no que vimos no primeiro trimestre, as dificuldades são evidentes. "

Para Ives e muitos outros analistas, a questão mais pertinente agora é sobre quem estará disposto a fornecer mais dinheiro - e o preço disso. No passado, os investidores ficavam animados com tudo o que a Tesla vendia - apesar da falta de lucros. Nos 16 anos da empresa, ela só obteve saldo positivo em quatro trimestres, com base no resultado líquido ajustado.

Procurado, um porta-voz da Tesla não quis comentar e solicitou que a Bloomberg consultasse a carta sobre os resultados do primeiro trimestre aos acionistas. Nela, a Tesla disse que o fluxo de caixa operacional excluindo despesas de capital "deve ser positivo em todos os trimestres, incluindo o segundo trimestre".

No primeiro trimestre, a empresa divulgou fluxo de caixa livre negativo de US$ 920 milhões. (Com Bloomberg e Reuters)

Mais Notícias