PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Detentos iniciam greve de fome em 2 prisões russas como protesto por violência

16/09/2021 14h05

Moscou, 16 Set 2021 (AFP) - Os internos de duas colônias penitenciárias na Rússia iniciaram uma greve de fome nos últimos dias, com base em documentos oficiais, como forma de protesto contra os atos de violência aos quais são submetidos, informou uma organização não governamental.

"Os detentos protestam contra a tortura, humilhações recorrentes e as ameaças de estupro", disse à AFP Vladimir Osechkin, diretor do website Gulagu.net, especializado na defesa dos direitos dos presidiários na Rússia.

Espancamentos, violência sexual e até mesmo assassinatos continuam sendo problemas recorrentes nas penitenciárias da Rússia. Há testemunhos frequentes dos abusos cometidos por guardas e outros detentos.

Em declarações publicadas na segunda (13) e na quarta-feira (15), respectivamente, os serviços penitenciários das regiões de Irkutsk (no leste da Sibéria) e Ulianovsk (no oeste do país) confirmaram a existência de casos de reclusos que se recusam a comer.

Na Colônia Nº 2, na cidade de Angarsk, ao norte de Irkutsk, cinco detentos não querem se alimentar, em um ato de "chantagem" para não cumprir as normativas internas, segundo as autoridades russas.

Osechkin, por sua vez, garante que existem cerca de 20 internos nesse presídio fazendo greve de fome desde o dia 10 de setembro.

De acordo com a documentação interna, à qual a AFP teve acesso, há vários relatos de uso da força contra os presos nas últimas semanas, sobretudo durante as vistorias nas celas.

Dois presos, de 65 e 67 anos, respectivamente, morreram nessa mesma prisão com poucos dias de diferença no início de setembro, um deles por "insuficiência cardíaca", de acordo com os documentos.

É provável "que os guardas não digam toda a verdade sobre as circunstâncias em que ocorreram essas mortes", afirma Vladimir Osechkin.

Já no segundo presídio citado, em Novulianovsk, doze reclusos começaram uma greve de fome "em protesto por suas condições de detenção", informaram as autoridades.

rco/apo/age/eg/rpr

Notícias