PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Senado americano avança em projeto de infraestrutura de US$ 1 trilhão

28/07/2021 22h49

Washington, 29 Jul 2021 (AFP) - O Senado americano votou nesta quarta-feira (28) para discutir um pacote histórico de infraestrutura de US $ 1 trilhão, depois de semanas de negociações tensas sobre este projeto de lei que o presidente Joe Biden diz que pode "transformar os Estados Unidos".

O acordo, se aprovado no Congresso e sancionado em lei, injetaria níveis históricos de financiamento federal para consertar rodovias, pontes e hidrovias do país, garantir internet banda larga para todos os residentes e expandir programas de energia limpa.

A medida bipartidária foi aprovada por 67 votos a favor e 32 contra, com 17 republicanos se juntando aos 50 democratas para iniciar formalmente o debate sobre o projeto.

O plano, parte da ampla agenda nacional de Biden, inclui cerca de US$ 550 bilhões em novos gastos.

Este acordo criará milhões de empregos e tornará a economia americana mais robusta, sustentável, resiliente e justa, afirmou a Casa Branca em um comunicado.

O grupo bipartidário que negociava o projeto superou um ponto crítico: como pagar pelas despesas.

A Casa Branca disse que a receita viria do redirecionamento de fundos de alívio emergencial da pandemia não gastos, aumentando as taxas corporativas e fortalecendo a fiscalização das criptomoedas.

O projeto ainda teria que ser aprovado na Câmara dos Representantes, onde poderia enfrentar a resistência dos democratas progressistas.

A legislação ainda não foi redigida, mas o Senado pode avançar o texto antes da votação final. Isso fez com que os republicanos relutassem em iniciar o debate na semana passada, e alguns continuam a alertar que isso pode afundar a iniciativa.

"Até que este projeto de lei seja realmente redigido e tenhamos a oportunidade de revisá-lo, incluindo todos os detalhes, os custos, os pagamentos... Não o apoiarei", declarou o senador John Cornyn ao plenário do Senado.

O ex-presidente republicano Donald Trump atacou o projeto de lei, chamando-o de "terrível e faz os republicanos parecerem fracos, burros e estúpidos".

mlm/bgs/yo/rsr/am

Notícias