PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Apesar de Covid-19, Festa da Música registra aglomerações e confrontos com a polícia na França

22/06/2021 11h41

O governo francês garantiu que tudo estaria sob controle, com a proibição de shows pelas ruas e o limite de aglomeração de dez pessoas durante a Festa da Música, tradicional evento que marca o início do verão no Hemisfério Norte, em 21 de junho. No entanto, a comemoração terminou com a formação de grandes grupos de jovens em várias cidades francesas, confrontos com a polícia e detenções.

O governo francês garantiu que tudo estaria sob controle, com a proibição de shows pelas ruas e o limite de aglomeração de dez pessoas durante a Festa da Música, tradicional evento que marca o início do verão no Hemisfério Norte, em 21 de junho. No entanto, a comemoração terminou com a formação de grandes grupos de jovens em várias cidades francesas, confrontos com a polícia e detenções.

Com o fim das medidas de lockdown, do toque de recolher e da obrigatoriedade do uso de máscaras ao ar livre, muitos franceses tiveram a impressão de retomar os ares da vida de antes da pandemia de Covid-19. No entanto, as poucas restrições mantidas para a Festa da Música - um verdadeiro carnaval de rua em tempos normais - foram desrespeitadas em várias cidades francesas. O governo esperava que a população respeitasse a proibição de eventos fora dos bares e restaurantes e o limite de frequentação por grupos, o que não ocorreu.

O resultado se traduz em imagens um dia depois do evento que poderia ser considerado como um ensaio da volta à normalidade, mas acabou em confusão. Entrevistada pelo canal BFM TV nesta terça-feira (22), a ministra francesa da Cultura, Roselyne Bachelot, se recusou a reconhecer que o governo pode ter enviado um sinal contraditório aos jovens ao flexibilizar, dias antes, ao mesmo tempo, várias medidas contra a Covid-19. Segundo ela, "alguns problemas" foram registrados "na empolgação da festa". A ministra também fez um apelo à "responsabilidade de cada um" no respeito às medida preventivas.

Em Paris, especialmente no centro, as ruas estavam lotadas de jovens sem nenhum respeito ao distanciamento físico. A polícia foi acionada diversas vezes para dispersar as aglomerações de centenas de pessoas, especialmente diante da prefeitura da capital, no jardim dos Inválidos e das Tulherias e na praça da República. Às 23 horas, várias áreas do cais do Rio Sena eram palco de superlotação.

 

No total, 25 pessoas foram detidas em Paris por "violências voluntárias contra autoridades", após confronto com a polícia. Na praça da República, pedras, garrafas e fogos de artifício foram lançados contra os policiais, que responderam com bombas de gás lacrimogênio. Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Capital, três agentes das forças de segurança ficaram feridos.

 

Em Annecy, no sudeste da França, uma reunião de estudantes de uma escola de ensino médio no centro da cidade atraiu muito mais participantes do que o esperado e resultou na intervenção doa polícia. Muitos jovens se negaram a dispersar e confrontaram os policiais. "Era uma multidão de adolescentes, mas os vândalos foram identificados", afirmou o secretário de segurança da região da Haute-Savoie, Alain Espinasse.

No Havre, no norte da França, a Festa da Música se prolongou pela madrugada. Cerca de 200 pessoas se negaram a finalizar a celebração e a polícia teve de agir, não sem resistência por parte dos frequentadores. Confrontos com policiais também ocorreram em Nantes, no oeste do país, onde centenas de pessoas se reuniram em homenagem a Steve Maia Caniço. O jovem francês de 24 anos morreu afogado após cair no rio da Loire, durante uma intervenção das forças de ordem na Festa da Música de 2019.

Cenas similares foram registradas em Grenoble, no sudeste da França, mas com menos gravidade. Cerca de 200 pessoas se reuniram no centro da cidade. Perto das 2h da manhã, os locais onde jovens se aglomeravam foram esvaziados sem resistência.

Festa cancelada

Muitas cidades francesas, como Rennes, no noroeste, Estrasburgo, no nordeste e Marselha, no sul, decidiram proibir os shows da Festa da Música. A comemoração também foi prejudicada pela chuva e o mau tempo em várias localidades. Em outras, ocorreu sem distúrbios e tumultos, dentro das medidas recomendadas.

Esse tradicional evento do verão na França ocorreu pela segunda vez em um contexto particular devido à pandemia de Covid-19. Ao contrário do ano passado - quando várias restrições ainda estavam em vigor - a comunicação e as decisões do governo às vésperas da festa foram confusas e contraditórias. Mesmo que as máscaras não sejam mais obrigatórias ao ar livre, o primeiro-ministro Jean Castex aconselhou, por exemplo, que o uso da proteção seja feito quando houver grandes aglomerações - uma recomendação difícil de seguir em um contexto como o da Festa da Música.

 

Após longos meses de batalha e de restrições contra a Covid-19 - boa parte delas atualmente flexibilizada - a epidemia recua na França. Segundo dados da agência nacional de saúde, nas últimas 24 horas, 487 casos positivos e 40 óbitos foram registrados. A quantidade de pacientes graves nas UTIs também baixou de 71, na semana passada, para 48 atualmente. Desde o início da crise sanitária, 110.807 pessoas morreram de Covid-19 na França.

Notícias