PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Tese de imunidade de rebanho contra covid é erro, diz Teich à CPI da Covid

do UOL

Rayanne Albuquerque, Luciana Amaral e Lucas Valença*

Do UOL, em São Paulo e em Brasília

05/05/2021 14h23Atualizada em 05/05/2021 16h25

O ex-ministro da Saúde Nelson Teich afirmou na tarde de hoje, em depoimento à CPI da Covid que a estratégia defendida pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a "imunidade de rebanho" da covid-19 não deveria ser mantida.

Tese de imunidade de rebanho é erro. Imunidade você tem pela vacina
Nelson Teich, ex-ministro da Saúde

Senadores do colegiado têm sustentado a hipótese de que Bolsonaro apostou na teoria da imunidade de rebanho e negligenciou medidas de enfrentamento da crise sanitária no país. O discurso de que a maioria dos brasileiros deveria se contaminar com a covid-19 foi repetido por Bolsonaro desde o início da pandemia como forma de contrapor as medidas de isolamento adotada nos estados e municípios.

O senador Humberto Costa (PT-PE) questionou se, na avaliação de Teich, o presidente Bolsonaro adotou a tese de que a maior transmissibilidade seria melhor para enfrentar a pandemia. O parlamentar citou um estudo da USP (Universidade de São Paulo) que aponta para os erros de estratégia do governo federal.

Teich disse que, para dar uma opinião sobre o estudo, deveria entender qual foi a metodologia utilizada, mas afirmou que, durante a sua gestão, a imunidade de rebanho não era uma questão discutida.

Na minha época, isso nunca foi colocado e nunca foi discutido como uma estratégia. Isso eu posso garantir
Nelson Teich

Ao depor ontem à CPI da Covid, o ex-ministro Luiz Henrique Mandetta afirmou ter a "impressão" de que o governo buscava a imunidade de rebanho como estratégia para vencer a pandemia.

"A impressão que eu tenho era que era alguma coisa nesse sentido, o principal convencimento, mas eu não posso afirmar, tem que perguntar a quem de direito", afirmou o ex-ministro, que disse sempre ter se balizado pela ciência.

Ameaça contra restrições

Nesta quarta, Bolsonaro ameaçou editar um decreto contra as medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos para conter o avanço da covid-19.

O presidente disse que espera não precisar "baixar o decreto", mas caso seja necessário, "ele será cumprido com todas as forças" que todos os ministros dele têm.

Nas ruas, já se começa a pedir por parte do governo que ele baixe decreto e, se eu baixar um decreto, ele vai ser cumprido, não vai ser contestado por nenhum tribunal porque ele será cumprido. O que ele constaria no corpo? Constaria os incisos do art. 5
Jair Bolsonaro

Medicamentos sem eficácia

Segundo ministro da pasta na gestão Bolsonaro, Teich deixou o cargo antes de completar um mês no cargo. Hoje ele afirmou que pediu demissão em razão da falta de autonomia e citou divergências quanto à insistência no uso da cloroquina no tratamento para pacientes.

O ex-gestor foi questionado em diversos momentos pelos senadores que compõem a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), a respeito da postura federal em recomendar medicamentos sem eficácia comprovada.

Na perspectiva de Teich, hoje é um "erro" continuar recomendando a medicação, após os efeitos não terem sido comprovados.

Ao ser questionado sobre ter havido ou não erro na recomendação durante a sua gestão na Saúde dos mesmos medicamentos, o ex-ministro apontou que na época, a OMS (Organização Mundial da Saúde) ainda não havia sido contrária ao uso.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) perguntou se a recomendação da cloroquina seria uma posição exclusiva do presidente Jair Bolsonaro, ao que Teich respondeu:

O presidente tem a posição dele de defender a cloroquina e ele mantém a posição dele
Nelson Teich

Bolsonaro defende uso do "kit covid"

O presidente defende o uso do chamado "kit covid" para o que chama de "tratamento precoce" contra a covid-19 — em contradição com o que diz a ciência.

A azitromicina, a ivermectina e a cloroquina são medicamentos que compõem esse kit sugerido pelo governo federal e distribuído pelo Ministério da Saúde, mesmo sem a eficácia comprovada para combater e prevenir a doença.

Em lives e aparições para apoiadores no Palácio da Alvorada, o presidente Bolsonaro mostrou a caixa da cloroquina e defendeu o tratamento do coronavírus pelo medicamento. Políticos que apoiam o presidente, como o senador Eduardo Girão (Podemos-CE), membro da CPI da Covid, admitem que fizeram uso do medicamento para prevenir a doença.

*Com colaboração de Nathan Lopes, do UOL, em São Paulo

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, Alessandro Vieira (Cidadania) é senador pelo estado de Sergipe, e não do Ceará. O texto foi corrigido.

Notícias