PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Quatro ONGs denunciam na Suécia supostos ataques químicos do regime sírio

19/04/2021 19h17

Estocolmo, 19 Abr 2021 (AFP) - Quatro ONGs apresentaram uma denúncia na Suécia contra o presidente sírio, Bashar al Assad, e vários altos funcionários por dois ataques com armas químicas, que ocorreram em 2013 e 2017 e que foram atribuídos ao regime sírio, anunciaram nesta segunda-feira (19).

O Centro Sírio para a Mídia e a Liberdade de Expressão (SCM), o Arquivo Sírio (SA), a Open Society Justice Initiave (OSJI) e os Defensores dos Direitos Civis querem que o regime sírio assuma as consequências legais dos ataques de gás sarin em Ghouta, em 2013, e em Khan Sheikhun em 2017.

Além do presidente sírio, a denúncia abrange também o ministro da Defesa, Ali Abdullah Ayyub, Maher al Asad, irmão do chefe de Estado, entre outros altos funcionários do regime de Damasco.

"O objetivo é levar os responsáveis por esses ataques com armas químicas à justiça", disse Aida Samani, assessora jurídica da Civil Rights Defenders, à AFP.

"O que esperamos é que (as autoridades suecas) abram uma investigação (...) e prendam os suspeitos destes atos", acrescentou Samani, que lembrou que esta decisão permitiria a emissão de um mandado de prisão europeu para questionar os denunciados no caso de terem viajado para a Europa.

Após o polêmico ataque em Ghouta, o regime se comprometeu a se desfazer de seu arsenal químico, mas um relatório da OSJI e do Arquivo Sírio advertiu no ano passado que Damasco ainda tinha um programa de armas químicas "bastante robusto".

jll/hdy/eb/llu/ap/mvv

Notícias