PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
15 dias

Ministro boliviano é detido após ser flagrado recebendo US$ 20 mil em propina

14/04/2021 20h08

La Paz, 14 abr (EFE).- O ministro de Desenvolvimento Rural e Terras da Bolívia, Edwin Characayo, foi detido após ser flagrado recebendo propina para facilitar processos de regularização e concessão de propriedade de terras.

Em entrevista coletiva realizada nesta quarta-feira, o ministro de Governo, Eduardo del Castillo, disse que Characayo foi preso ontem à noite, em flagrante, em La Paz. Ele será processado por corrupção, recebimento de suborno e outros crimes.

Durante a coletiva, foram divulgadas imagens que mostram algumas pessoas entregando a Characayo um pacote que ele coloca em uma bolsa.

Ele foi preso logo após deixar o local onde recebeu o suborno, que a polícia calculou em US$ 20 mil. Essa quantia seria um adiantamento de um pagamento de US$ 380 mil, dos quais US$ 100 mil supostamente ficariam com Characayo, US$ 200 mil com funcionários do Instituto Nacional de Reforma Agrária (INRA) - órgão responsável pela concessão de propriedade de terras - e US$ 80 mil para Hiper García, diretor geral do Ministério de Desenvolvimento Rural e que acompahava o titular da pasta na hora do recebimento do suborno.

De acordo com a imprensa boliviana, a dona de um terreno denunciou que foi extorquida para obter o título de propriedade. De acordo com Del Castillo, o agora ex-ministro "contava com toda uma rede de extorsionários de terras".

Del Castillo disse na coletiva que Characayo foi "encontrado usando a posição que ocupava para beneficiar certas pessoas na aquisição e regulamentação de terras".

Já o presidente da Bolívia, Luis Arce, escreveu no Twitter que o governo "não encobrirá a corrupção, não importa de quem ela venha.

"O senhor Edwin Characayo foi detido e será levado à Justiça", acrescentou.

Arce nomeou Characayo como ministro de Desenvolvimento Rural e Terras em dezembro de 2020 após a renúncia de Wilson Caceres por um escândalo de nepotismo, por ter nomeado uma ex-companheira como chefe de gabinete.

Notícias