PUBLICIDADE
Topo
Notícias

Notícias

Conteúdo publicado há
1 mês

Arqueólogos desvendam mistério de como crânio apareceu em caverna italiana

Arqueólogos descobriram como um crânio decapitado de uma mulher foi parar em uma caverna na Itália  - Divulgação/Belcastrol et.Al
Arqueólogos descobriram como um crânio decapitado de uma mulher foi parar em uma caverna na Itália Imagem: Divulgação/Belcastrol et.Al
do UOL

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/03/2021 14h50

Arqueólogos desvendaram um mistério milenar ao descobrirem como um crânio de 5,3 mil anos foi parar em uma caverna remota no norte da Itália, nas profundezas de um conjunto rochoso conhecido como Marcel Loubens.

Os especialistas publicaram os resultados do estudo ontem, no jornal científico PLOS One. Eles contam que o fóssil foi encontrado originalmente em 2015, mas que somente agora desvendaram a história por trás do achado.

O crânio estava próximo de um poço profundo, aproximadamente 12 metros abaixo de uma área de caverna — que por si só já fica a 26 metros abaixo do solo.

Pelo local ser bastante remoto, demorou dois anos para que os pesquisadores pudessem ter acesso ao crânio e finalmente poderem pegá-lo utilizando equipamento de escalada.

O crânio pertencia a uma jovem com cerca de 30 anos - Divulgação/Maria Giovanna Belacastro/PLOS One - Divulgação/Maria Giovanna Belacastro/PLOS One
O crânio pertencia a uma jovem com cerca de 30 anos
Imagem: Divulgação/Maria Giovanna Belacastro/PLOS One

Foi descoberto que a ossada craniana pertencia a uma mulher de cerca de 30 anos de idade, que teve a cabeça decepada. Os arqueólogos acreditam que ela teve parte da carne do crânio removida durante um ritual de morte.

Curiosamente, remover a carne dos mortos era uma prática comum entre a população de neandertais, na Pré-História. Depois que a mulher morreu, possivelmente no ritual, o crânio dela caiu acidentalmente na caverna, segundo os arqueólogos.

Ou seja, a ossada foi parar lá meramente por coincidência e resultado de um fluxo de água e lama, que acabou arrastando o fóssil para as profundezas. "A natureza acidental do evento é confirmada por algumas lesões post-mortem no crânio", explicou a arqueóloga Maria Giovanna Belcastro, da Universidade de Bolonha, na Itália, ao site 9News.

Ainda de acordo com Belcastro, o cadáver da mulher também pode ter sido manipulado logo após o óbito. "O crânio mostra sinais de algumas lesões que parecem ser o resultado de uma manipulação depois da morte, provavelmente realizada para remover tecidos moles", disse a pesquisadora.

Notícias