PUBLICIDADE
Topo

"Ficou silencioso, tive que colocar música", diz dono de restaurante em SP

Tradicional na Santa Cecília, a Esquina Grill do Fuad tem mesas na calçada e clima de boteco - Reprodução/Facebook
Tradicional na Santa Cecília, a Esquina Grill do Fuad tem mesas na calçada e clima de boteco Imagem: Reprodução/Facebook

Marcia de chiara

07/07/2020 07h13

Denis Nery, sócio da Esquina do Fuad

"No primeiro dia de funcionamento, tive um movimento bom: reservei 70 lugares e ocupei 58. Nas redondezas, aqui em Santa Cecília, só eu abri. Estamos há 54 anos na região, somos meio pioneiros. Acho que o pessoal está vendo como estou fazendo e vai fazer do mesmo jeito.

Senti os clientes meio carentes. Muitas pessoas fotografando, fazendo vídeo para mostrar aos amigos e conhecidos que estavam do outro lado do telefone. O pessoal não se soltou neste primeiro dia.

O restaurante também ficou silencioso. Tive até de colocar música, porque, caso contrário, o barulho que se escutava era o dos talheres batendo no prato. Uma dificuldade é a readaptação dos garçons. Atendendo de máscara mais aquele escudo de acrílico, fica difícil a comunicação com o cliente.

É como se fosse um restaurante mudo. Como não temos cardápio, instalei um QRCode para acessá-lo pelo celular. O prato mais pedido hoje foi o medalhão de filé mignon, por R$ 39,90.

De início abri só o salão porque o espaço da calçada está proibido. Gostaria que as mesas na calçada voltassem logo, sem elas perco 50% do faturamento. Mas reconheço que vai ser difícil conter a aglomeração. Quero a calçada, mas acho que tem de esperar um pouco."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícias